Ellis Rua/AP
Ellis Rua/AP

Assessor de vereador que depôs sobre morte de Marielle é assassinado a tiros

Carlos Alexandre Pereira Maria, de 37 anos, era líder comunitário e representava a região na Câmara

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2018 | 13h11

RIO - Um colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS) foi morto a tiros, na noite deste domingo, na Taquara, Zona Oeste do Rio. De acordo com assessoria de imprensa do parlamentar, Carlos Alexandre Pereira Maria, de 37 anos, era líder comunitário e representava a região na Câmara. Ele identificaria as necessidades dos moradores da área e as repassaria ao vereador.

O crime ocorreu dois dias após Siciliano depor na Delegacia de Homicídios (DH) da Capital sobre o caso da morte da vereadora Marielle Franco (Psol) e de seu motorista, Anderson Gomes, no dia 14 de março, no Estácio, região central do Rio.

+++ Morte de Marielle Franco não é melodrama

Não há ainda informações sobre o motivo do crime. Segundo informações da Polícia Militar, o 18º Batalhão da PM (Jacarepaguá) chegou a ser acionado, mas já encontrou a vítima morta. Agentes da Delegacia de Homicídio da Capital fizeram uma perícia no local do crime, na Estrada Curumau, na Taquara.

Marcello Siciliano depôs sobre o caso da morte de Marielle Franco na sexta-feira, 6. Os policiais foram ao gabinete de Siciliano na Câmara dos Vereadores na quinta-feira, 5, mas ele não estava no local. Na manhã de sexta, o parlamentar foi notificado para prestar depoimento, que ocorreu um dia após o vereador Zico Bacana (PHS) ir à Delegacia de Homicídios. Siciliano ficou três horas na delegacia. Na ocasião, ele declarou que foi convocado "para prestar esclarecimentos para poder ajudar na linha de investigação que estão utilizando". Ele disse ainda que Marielle era uma "grande amiga".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.