Bastidores: Decisão de colocar Forças Armadas nos presídios foi apresentada por Temer

Apesar de ser um tipo de atuação considerada inédita, não houve resistência das Forças Armadas na execução da missão, conforme apurou o 'Estado'

Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

17 Janeiro 2017 | 15h14

BRASÍLIA - A decisão de pedir apoio às Forças Armadas foi apresentada na reunião no Planalto pelo próprio presidente Michel Temer. De acordo com um dos integrantes da reunião, os militares das Forças Armadas não lidarão com presos diretamente. Com isso, se tentará evitar a "vista grossa" que muitas vezes acontece na entrada dos presídios. 

Os militares vão operar equipamentos nos presídios para fazer checagem de entrada de armas, celulares e tudo o mais que for proibido. Ou seja, vão atuar na detecção de metais nas entradas e nas instalações, fazendo fiscalização nos presídios. Vão ajudar também na cooperação de inteligência. Apesar de ser um tipo de atuação considerada inédita, não houve resistência das Forças Armadas na execução deste tipo de missão, conforme apurou o Estado

"Isso se tornou inevitável pela gravidade da situação no País porque hoje se tornou uma questão de segurança nacional. Portanto, não tem jeito", disse um dos participantes da reunião. "É uma operação de apoio com detector de metais nas instalações. Não vamos mexer com presos", emendou, ao explicar que o Estado Maior Conjunto das Forças Armadas vai definir como será esta operação.

Não há definição ainda de quando este sistema de uso dos militares das Forças Armadas nos presídios e a forma efetiva de como isso acontecerá. 

Na reunião, Temer falou da sua preocupação com o sistema penitenciário no País e disse que gostaria de " contar com o prestigio das Forças Armadas" para esta ajuda. Os comandantes militares não foram surpreendidos com o anúncio da decisão de Temer na reunião. Eles foram antecipadamente avisados da intenção do presidente pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, ainda na manhã desta terça.

É claro que há uma preocupação por parte das Forças Armadas com o que chamam de contágio que pode acontecer no trabalho dos militares em presídios, a exemplo do que temiam quando eles foram atuar nos morros do Rio de Janeiro. Por isso, toda uma estratégia está sendo montada para definir como será a operação.

Em relação à área de inteligência, os governos usarão como embrião o  esquema montado na Copa do Mundo e que funcionou a partir da Abin, a Agência Brasileira de Inteligência.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.