Luca Zennaro/Efe
Luca Zennaro/Efe

Bergoglio tornou-se Francisco em Roma, mas virou papa no Rio

RIO - Há pouco mais de quatro meses, Jorge Mario Bergoglio era eleito para ocupar o trono de São Pedro em Roma e se tornou Francisco, mas foi no Rio que ele despontou como papa. Em uma semana no Brasil, o santo padre esclareceu ao mundo seus planos para a Igreja, reconheceu as "incoerências" da instituição e não deixou de criticar sacerdotes e bispos. Aos jovens, os alertou que não poderiam "lavar as mãos" diante dos problemas atuais do mundo.

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

28 Julho 2013 | 21h54

 

Às classes dirigentes e aos políticos, a mensagem foi especialmente dura. O papa atacou a corrupção, pediu que os pobres fossem ouvidos e que os governos sejam responsáveis por toda a sociedade.

 

Foi o banho de multidão, no entanto, e, acima de tudo, o impacto de suas mensagens que passaram a dar um conteúdo a seu pontificado e marcar uma nova realidade no Vaticano: o "governo" de Bento XVI acabou e são as ideias de Francisco que vão marcar o ritmo agora da Santa Sé.

 

Ao desembarcar no Rio, após 12 horas de voo sem dormir um só minuto, Francisco dava passos cuidadosamente calculados, o que se refletiu em discursos moderados, sem improvisação. Não demorou para que ele começasse a soltar seus ataques frontais às injustiças e não tivesse qualquer complexo em reafirmar dogmas. Não ficariam dúvidas: a forma e os gestos são novos. A prioridade com os pobres é nova, mas não o Evangelho. Os dogmas da Igreja foram reafirmados, mas não como ameaças.

 

Pessoas próximas ao papa contam que ele mesmo se dava conta da dimensão da viagem e do cargo ao longo da semana. Seu discurso ganhou uma dimensão internacional e as multidões que atraiu para a Praia de Copacabana impressionaram os mais experientes cardeais. Fontes do Vaticano confirmaram ao Estado que o papa chegou a chorar durante a viagem por causa da emoção.

 

Um dos aspectos que chamou a atenção de seus assessores foi sua vitalidade. Por anos, o Vaticano e os fiéis se acostumaram à imagem de um papa velho ou doente. Agora, se em diversas vezes o palco e o púlpito foram seu teatro, foi sobre o papamóvel aberto que uma parte substancial de sua missão ocorreu. "Ele estava acostumado apenas a trajetos curtos na Praça São Pedro e, por isso, sentiu um pouco quando chegou ao Rio. Logo gostou da ideia", brincou um de seus assessores.

 

De cima do carro, ele bebeu chimarrão, era alvo de centenas de bandeiras e mexia de um lado ao outro. Para o papa, o momento mais importante de sua viagem foi sua presença numa favela, revelam seus assessores. Fez o que sempre fazia em Buenos Aires, mas, desta vez, visto pelo mundo todo. O Vaticano não nega: a viagem marca um ruptura de fato entre os pontificados de Bento XVI e Francisco.

 

Após a missa deste domingo, um de seus assistentes comentou com o papa que a viagem já estava chegando ao fim e ouviu, como resposta, algo tipicamente de um santo padre que sabe que não tem tempo a perder. O Rio, segundo ele, era só o início de um caminho. Porém, tanto Francisco quanto o Vaticano sabem: o caminho da reforma será dos mais difíceis e não há qualquer garantia de que os fiéis serão resgatados e que a Igreja voltará a ser ator importante na sociedade.

Mais conteúdo sobre:
papa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.