Bergonzini apela ao TSE para reaver folhetos

Em petição de 23 páginas, a Mitra Diocesana de Guarulhos argumenta ao Tribunal Superior Eleitoral que o "apelo aos brasileiros" é documento verdadeiro e oficial da Igreja católica, aprovado pelo Conselho Regional Episcopal da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) Sul 1, representado por sua diretoria executiva composta por 11 bispos.

, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2010 | 00h00

"Ao contrário do que afirma Dilma Rousseff e sua coligação, não se trata de panfleto, mas um documento que teve ampla divulgação para outras dioceses e movimentos de defesa da vida que quisessem distribuir para seus fiéis", assinala d. Luiz Bergonzini. Ele considera que a ofensiva do PT caracteriza "perseguição discriminatória" da Igreja. A petição da Mitra é taxativa. "D. Luiz não apoiou nenhum candidato. Poderia indicar o candidato que quisesse, não é proibido. Mas não o fez. Apenas defende princípios."

A Diocese observa que o artigo 5º da Constituição garante a liberdade de manifestação do pensamento e, o 220, veda a censura. "O apelo não é anônimo, é assinado por três bispos." Ressalta a exceção da verdade. "O PT assumiu o compromisso de liberar o aborto em vários documentos." D. Luiz pede extinção da ação movida pelo PT. Ele disse que vai processar o partido por danos materiais e morais. Ontem, o bispo distribuiu um CD com nomes de "quem patrocina o aborto no Brasil e de onde vem o dinheiro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.