Boca-livre high tech

Apresentado como "ativista do software livre", uma espécie de MST digital, um tal de Richard não-sei-o-quê ganhou seu megabyte de fama ao se declarar feliz com a morte de Steve Jobs, "um pioneiro do computador que parece ser cool mas é uma prisão, projetado para privar os tolos de sua liberdade".

NELSON MOTTA, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2011 | 03h05

Ele descobriu a conspiração capitalista: o iPad, o iPod, o iPhone e as maravilhas tecnológicas criadas por Jobs para facilitar a comunicação entre as pessoas, a troca de ideias, o conhecimento, o acesso à diversão e à arte, foram criados para escravizar os tolos como nós, que nos viciamos na eficiência e beleza das suas máquinas e temos de pagar pelos benefícios que recebemos. Ele queria que tudo fosse livre, aberto, para cada um usar e modificar à vontade, em nome da justiça e da igualdade. Que fofura. Mas quem paga a conta das pesquisas, desenvolvimento e produção dessas máquinas maravilhosas? Quem paga o gênio que as inventa? Assim como os almoços, não há conexões grátis. Deviam convidar esta besta para uma mesa com o Stédile no Fórum Mundial.

Ainda que Jobs tenha sido um canalha nelson-rodrigueano, um tirano ganancioso, um explorador do suor alheio, um Sarney do Vale do Silício, ele seria o único caso em que concordo com o Zé Dirceu: os fins justificaram os meios. Mas Jobs não foi nada disso, todas as evidências são de que era apenas um homem, muito especial, mas com as precariedades da condição humana e sua impotência diante do nosso destino inexorável. Duro, rigoroso e perfeccionista, pode até ter infernizado a vida de algumas pessoas, que provavelmente mereceram, mas seu legado é o de um grande benfeitor da humanidade. No nosso tempo, ninguém contribuiu mais para a liberdade de ver, ouvir, pensar e se comunicar do que Steve Jobs.

Esses ativistas parecem saídos do tempo dos hippies, de tanta fraternidade e solidariedade, paz e amor, bicho, dinheiro é só papel, quando os ativistas da boca-livre viviam alegremente às custas do trabalho alheio. E tem mais, seus cafonas: além de cool, os produtos criados por Jobs foram e são uma educação visual para a beleza e a harmonia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.