Brasil quer discutir com Obama reforma na ONU

Comunicado final da visita do presidente dos EUA deve incluir artigo em defesa de uma visão comum sobre segurança e desenvolvimento

Lisandra Paraguassu / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

12 Março 2011 | 00h00

A reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas será um dos principais temas a serem tratados pelo governo brasileiro na visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Como dificilmente conseguirá arrancar dos americanos um apoio formal à sua pretensão de se tornar membro permanente do Conselho, o Brasil deve incluir no comunicado final da visita um artigo em defesa de uma visão comum sobre segurança e desenvolvimento.

Na semana passada, em uma entrevista à agência de notícias BBC Brasil, o ministro das Relações Exteriores, Antonio de Aguiar Patriota, disse esperar um maior "engajamento" dos Estados Unidos na reforma do Conselho. E, apesar de não haver indícios disso ainda, espera-se um apoio formal às mudanças.

Obama chega a Brasília na manhã do dia 19. O primeiro compromisso de sua agenda será uma reunião fechada com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto. Depois, uma reunião ampliada, com a participação de ministros brasileiros e seus correspondentes americanos. Em seguida, haverá o tradicional almoço no Palácio do Itamaraty. Obama tem, ainda, dois encontros com empresários, um no Itamaraty e outro no Centro de Convenções Brasil 21.

Pedido. Um grupo de 40 agentes do governo americano chegou ontem a Brasília para organizar a viagem do presidente americano e fez a primeira reunião com os diplomatas brasileiros. A agenda ainda está sendo discutida e um dos pontos em aberto é a realização de uma conferência de imprensa no Itamaraty, um pedido dos americanos que não foi recebido com tanto entusiasmo pelo governo brasileiro.

Outro ponto que ainda está em aberto é o local de hospedagem de Obama em sua primeira noite em território brasileiro. O presidente americano teria manifestado interesse em passar duas noites no Rio de Janeiro, para onde vai logo depois da visita a Brasília. No entanto, o hotel Golden Tulip, que fica ao lado do Palácio da Alvorada, já está bloqueado para a visita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.