Brasileiro transforma cão em herói de crianças com necessidades especiais

O dachshund Super Lance é um herói em Miami com direito a mural em sua homenagem no Miami Children's Hospital

Chris Delboni e Liliana Pinelli,

11 Abril 2014 | 10h16

Conheça Caio Stinchi e a maior lição que Lance lhe ensinou:

Caio Stinchi releva o segredo do seu sucesso e as lições que recebeu de Super Lance. Por Chris Delboni. from Chris Delboni on Vimeo.

 

"Filho" de brasileiros, o dachshund Super Lance é um herói em Miami com direito a mural em sua homenagem no Miami Children's Hospital. Mas a história desse cãozinho tinha tudo para ser bem diferente: de uma hora para outra, aos quatro anos de idade, ele ficou paraplégico. Um dia, simplesmente acordou e não conseguiu mais andar. Chegou até a passar por uma cirurgia, mas jamais recuperou a mobilidade nas patas traseiras.

 

Só que hoje, com o apoio dos donos Caio Stinchi e Claudia Machado, o "salsicha" Super Lance se tornou um exemplo de superação e sucesso para muita gente. Sensibilizados pela paralisia repentina de Lance - a quem consideram um filho -, Caio e Claudia logo lhe providenciaram uma "cadeira de rodas" adaptada, o que permitiu ao cachorro voltar a se locomover e também a se tornar um animal para ser aproveitado em terapias.

 

Assim, durante quatro anos, Lance passou a visitar semanalmente diversos hospitais do Sul da Flórida, como o Miami Children's Hospital, para levar alegria a crianças internadas. "Para nós foi uma lição que não tem preço", diz Caio.

 

 

Hoje, com 10 anos e praticamente aposentado, Lance ainda participa de alguns eventos, como o programa anual Ventilation Assisted Children's Center (VAAC), que recebe crianças com problemas respiratórios e pulmonares do mundo inteiro para uma semana de diversão e passeios em Miami. Há poucos dias, em um parque que recebeu o evento, a presença de Lance causou euforia e admiração entre as crianças.

 

Ali, a ideia de ter um cachorro como Lance parecia povoar os sonhos do menino Joshua Flores, de 11 anos, que há sete participa do VAAC. Portador da Síndrome de Pfeiffer, Joshua passou bons minutos brincando com Lance, que impressiona pela desenvoltura e calma na interação com as crianças, aparentando estar cumprindo uma missão, um dever de sua honra canina.  "Trazer o Joshua aqui sempre torna o seu dia mais feliz", disse a mãe do garoto, Maria Flores. "Ele adora vir e toda vez sai querendo adotar um cachorrinho".

 

Como tudo começou - Lance foi um presente do piloto Tony Kanaan, em 2004, de quem Caio administrou a carreira durante seis anos. Apesar de apaixonado por automobilismo desde criança, quando frequentava com o pai o autódromo de Interlagos, o esporte -- como profissão -- só entrou na vida de Caio em 2001.

 

Até então, ele tinha uma carreira empresarial de sucesso no Brasil e nunca tinha pensado em morar fora. Até que um dia, em 2000, durante uma visita à empresa que fornecia seus produtos, uma telefonista atendeu um cliente em inglês. "Pensei: essa mulher, que não tinha tido 10 % das oportunidades que eu tive, respondeu em inglês.

 

Estou com 34 anos, tive todo acesso do mundo para aprender e não fiz'". Foi o suficiente. Naquele momento, Caio percebeu que o avanço da sua carreira dependia do idioma. Arrumou as malas e se mudou para Miami para ficar apenas alguns meses. "Não queria morrer sem falar inglês", conta. Mas nunca mais voltou ao Brasil.

 

 

De lá para cá foram muitas conquistas na sua vida profissional e pessoal. Em Miami, ele conheceu Claudia, que veio a se tornar sua mulher. Caio administrou a carreira de Kanaan até 2006, mas suas prioridades começaram a mudar quando o casal decidiu ter um filho. Com este cenário, a vida de administrador de um piloto não seria mais compatível. "Comecei a achar que, da maneira que gostaria de criar meu filho, participar do automobilismo seria difícil. Não queria ficar longe dele 25 fins de semana por ano", diz o empresário.

 

Hoje, Felipe está com 3 anos e meio. Caio se dedica 24 horas a ele, à esposa e às necessidades de Lance, o "filho mais velho" que precisa de cuidados especiais até para fazer xixi. Há seis meses, com a mesma capacidade de adaptar o seu modelo de negócio, ele abriu o Pronto Pasta, um empreendimento no centro de Miami. É um conceito novo de "fast-food" de massa, feita em apenas três minutos. E assim como na busca pelo idioma, na sua carreira no automobilismo, no amor ao Lance e à família, Caio está se dedicando de corpo e alma ao novo negócio.

 

O empresário acorda cedo para abrir o restaurante e atender aos clientes. Veste a camisa da empresa como qualquer funcionário, trabalha no caixa e opera até a máquina de fazer macarrão. "Você veste a camisa e faz direito ou não faz", diz Caio, que hoje está com 47 anos.

 

 

Para não se afastar totalmente do mundo dos automóveis, ele também administra uma empresa de exportação de carros antigos, a Vintage Hunters (http://www.vintagehunters.com), que é mais um passo no caminho da realização de seu grande sonho de vida: abrir uma oficina especializada em restauração de carros antigos. E, como ele correu atrás de tudo o que quis, com certeza esse projeto também vai sair do papel.

 

Afinal, como explica Claudia, uma das maiores lições que aprenderam com o Lance é que não vale a pena sofrer pelo que não é possível. "Cães só focam no que eles podem fazer, não no que não podem. Eles não racionalizam suas limitações."Lição muito bem aprendida por essa família. /Colaborou Caio Ferraz

 

Twitter @chrisdelboni

 

Serviço:

* VAAC - Ventilation Assisted Children's Center (http://www.vacccamp.com)

O programa em Miami é gratuito, mas a família arca com custos da viagem e hospedagem. A família interessada em participar, precisa ter uma recomendação médica e preencher todos os requisitos. O programa aceita entre 10 e 15 crianças anualmente. Para mais informações: http://www.vacccamp.com/camperApplication/index.asp

 

* Para um almoço rápido em Downtown Miami, Pronto Pasta (http://prontopastausa.com) fica na 27 North Miami Ave., Miami, FL 33128 (cuidado que o GPS às vezes manda para outra parte da cidade.). Tel.: 305-358-7070.

Mais conteúdo sobre:
Direto de Miami

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.