Brinquedo do Hopi Hari usava fumaça, não gelo seco

Peritos do Instituto de Criminalística (IC) de Campinas constataram ontem que a substância utilizada no brinquedo do parque Hopi Hari em que o estudante Arthur Wolf, de 15 anos, passou mal antes de morrer não era gelo seco, mas um líquido usado em máquinas de fazer fumaça.Wolf morreu na sexta-feira, após ser retirado da atração chamada Labirinto. Ele sofreu uma parada cardíaca no parque e outra no hospital, em Jundiaí. Segundo informou o delegado seccional de Campinas, Paulo Tucci, as equipes do IC apreenderam ontem, durante a inspeção, a máquina de fumaça utilizada no brinquedo e o líquido usado no equipamento. O delegado afirmou que parentes de Wolf e testemunhas serão chamados para depor esta semana. "O líquido foi apreendido para sabermos se algum tipo de substância que compunha o material pode ter causado reação no garoto", afirmou o delegado. O Hopi Hari informou que a substância utilizada no brinquedo é "neutra e inofensiva", nunca causou sequer desconforto aos visitantes e que só na temporada de 2007, 65 mil visitantes passaram pelo Labirinto.

Tatiana Favaro, O Estadao de S.Paulo

03 Outubro 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.