Brown pede desculpas a Gil e o ministro chora

Depois de fazer críticas ao apartheid social, que impera na Bahia, e pedir publicamente providências às autoridades para dar mais educação e igualdade social à população, Brown parou ontem seu trio elétrico em frente ao camarote do ministro para pedir desculpas. Depois, ainda foi ao camarote reafirmar o pedido. No discurso, Brown considerou sua fala no sábado um ?erro?, cantou para Gil e fez o ministro chorar. Foi uma atuação totalmente oposta a de seu discurso anterior. Ao fazer o ato mais político desse carnaval baiano, Brown deixou Gil sem palavras, embora estivesse com o microfone na mão. Só no dia seguinte o ministro se manifestou, dizendo que as diferenças sociais não seriam resolvidas da noite para o dia e que o Carnaval ?é o momento em que as grandes tensões provocadas pelas desigualdades da sociedade ficam suspensas, é uma trégua social?, embora salientando que ?o carnaval não consegue abolir todas as diferenças?.

Agencia Estado,

28 Fevereiro 2006 | 14h41

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.