Buscas do voo 447 voltam a ser adiadas, dizem familiares

Segundo integrante da associação de parentes das vítimas, França vai procurar caixas-pretas em fevereiro

Associated Press e Reuters,

05 Novembro 2009 | 11h33

Familiares das vítimas do voo 447 da Air France disseram nesta quinta-feira, 5, que os esforços de busca em torno do Airbus 330 voltaram a ser adiadas. Eles acusaram os investigadores franceses de "corpo mole". Robert Soulas, que perdeu a filha e o genro na tragédia e que integra a associação de familiares, disse que as buscas agora foram remarcadas para fevereiro de 2010.

 

Veja também

linkInvestigação sobre voo 447 entra em nova fase, diz França

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

especial Especial: Passo a passo do voo 447

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

 

Inicialmente, os investigadores disseram que elas seriam retomadas ainda em 2009. Antes do novo adiamento, o prazo já havia sido postergado para janeiro de 2010. Os familiares se reuniram nesta manhã com o ministro dos Transportes da França, Dominique Bussereau, para perguntar quando seriam retomados os esforços de busca.

 

O Airbus 330, que havia partido do Rio de Janeiro no dia 31 de maio com destino a Paris, caiu no Oceano Atlântico, matando as 228 pessoas a bordo. O vice-presidente da associação Ajuda Mútua e Solidariedade AF 447, John Clemes, também condenou a falta de transparência na investigação sobre as causas do acidente. "Parece que as coisas não avançaram desde julho", disse antes do encontro com Bussereau.

 

Um primeiro relatório preliminar do Escritório de Investigações e Análises do governo francês (BEA) foi divulgado um mês depois do acidente, mas foi vago em relação às circunstâncias e responsabilidades. Um novo relatório deve ser divulgado no início de dezembro. "Faltam respostas por parte do BEA. Queremos que o BEA apresente um relatório sobre seus trabalhos, para que haja mais transparência", afirmou Soulas.

 

Enquanto os inquéritos administrativo do BEA e judicial (da polícia dos transportes aéreos) estão em curso separadamente, as famílias querem pedir ao ministro da Justiça que sejam realizados conjuntamente. "É deplorável que tenhamos dois inquéritos em paralelo. É o único país do mundo em que isso acontece", afirmou o integrante.

 

Acompanhadas por Alain Joyandet, secretário de Estado para a Cooperação, as famílias devem embarcar na sexta-feira para o Rio de Janeiro, onde acontecerá o maior encontro de familiares das vítimas desde o acidente. Um monumento será erguido em homenagem às vítimas, em uma cerimônia oficial, segundo Clemes.

 

"É provável que seja emocionalmente muito difícil. Quanto à hipótese de um monumento na França, trataremos disso depois da viagem. É possível que seja feita uma cerimônia em 1o de junho de 2010", disse ele.

 

Atualizado às 13h10 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.