Cabral é reeleito com votação recorde

O governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) foi reeleito ontem com a maior votação já recebida por um candidato ao governo do Rio em primeiro turno. O peemedebista somou cerca de 66% dos votos válidos. Seu principal concorrente, o deputado federal Fernando Gabeira (PV), ficou com 20,6%. Fernando Peregrino (PR) teve por volta de 10,8%. Votos nulos e brancos somaram 17,5%.

Alfredo Junqueira e Glauber Gonçalves, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2010 | 00h00

A reeleição de Cabral representa a mais expressiva vitória dos partidos da base do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas disputas estaduais. O terceiro maior colégio eleitoral do País vai continuar sob domínio do PMDB, que, dessa vez, disputou a eleição coligado ao PT. A vitória de Cabral confirma o sucesso de sua estratégia política.

Desde sua vitória em 2006, o peemedebista adotou o discurso de pacificação com as demais esferas de poder, aproximou-se de Lula, a quem passou a chamar de "amigo de infância", e conseguiu eleger o prefeito da capital em 2008, Eduardo Paes (PMDB). O mote "Estamos Juntos" foi usado ao longo da campanha e, segundo os marqueteiros do peemedebista, era a iniciativa política mais bem avaliada pela população nas pesquisas qualitativas.

"Agrademos ao presidente Lula a parceria com o Rio, para recuperar a força do Estado e por compreender a importância dessa força", disse Cabral, logo após sua vitória ser confirmada. Ele ainda disse acreditar que o Estado vai votar em peso na candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, no segundo turno. "O Rio já deu uma votação importante para Dilma no primeiro turno. Tenho certeza de que essa participação será maior ainda agora no segundo turno", afirmou.

Cabral também anunciou a implantação de novas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Principal iniciativa de sua administração na área de segurança pública, as UPPs são apontadas como outro fator importante no desempenho eleitoral do governador - principalmente por ter atraído o voto da classe média da Zona Sul da capital do Rio. Segundo ele, extensas comunidades que vivem sob o domínio de quadrilhas de tráfico de droga, como a Rocinha e os Complexos do Alemão e de Manguinhos, serão pacificadas ainda no ano que vem.

Cabral obteve votação expressiva até na capital do Rio. A expectativa era que Gabeira pudesse vir a fazer frente na região, pois, em 2008, durante a disputa pela Prefeitura, o verde se classificou para o segundo turno e perdeu o pleito para Paes por apenas 1,66% dos votos. Deste vez, Cabral se impôs na cidade com facilidade. Obteve 63,43% dos votos válidos contra 27,04% de Gabeira.

Com o total de votos recebido, Cabral conseguiu superar o desempenho do ex-governador Leonel Brizola (PDT), que, em 1990, foi eleito com 61% dos votos válidos. Além de Cabral e Brizola, apenas Rosinha Garotinho, na época no PSB, também se elegeu no primeiro turno. Em 2002, ela ganhou com 51,3%.

Garotinho. O ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR), que desistiu de disputar o governo do Rio depois de ser condenado em ações em varas eleitorais e criminais, foi o deputado federal mais votado. Recebeu mais de 655 mil votos e conseguiu a eleger mais seis deputados para a Câmara. Na Assembleia Legislativa, o apresentador de TV Wagner Montes (PDT) foi reeleito com a maior votação, com mais de 513 mil votos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.