TV Globo/Reprodução
TV Globo/Reprodução

Caminhoneiro é morto após tentar furar bloqueio no RS

Renato Kranlow, de 44 anos, foi atingido por uma pedra, segundo a Polícia Rodoviária Federal

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

04 Julho 2013 | 09h34

SÃO PAULO - O caminhoneiro Renato Lange Kranlow, de 44 anos, foi morto no Rio Grande do Sul depois de tentar furar uma barreira de um protesto na BR-116, em Camaquã (129 km de Porto Alegre), às 20h45 de quarta-feira, 3. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, ele viajava de Pelotas para Porto Alegre e precisou parar em um posto de gasolina por causa de manifestantes. No local, ele recebeu um soco de um homem e procurou ajuda da PRF. Enquanto se deslocava para a delegacia, seu veículo foi atingido por uma pedra, que quebrou o para-brisa e acertou seu pescoço.

De acordo com a PRF, o caminhoneiro pediu ajuda para a polícia com o rosto ferido por causa do soco, mas ainda conseguindo dirigir. Uma viatura acompanhava o veículo à distância.

Kranlow teve um ferimento na traqueia, segundo a PRF. A polícia chamou os bombeiros, mas quando o resgate chegou ele já estava morto. O Instituto Médico Legal de Camaquã vai examinar o corpo. Ainda de acordo com a PRF, ninguém foi preso. O caso é investigado na delegacia de Cristal (a 135 km de Porto Alegre).

Mais conteúdo sobre:
protestos caminhoneiros Rio Grande do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.