Assine o Estadão
assine

Brasil

Twitter

Campanha do ‘Estado’ no Dia da Mulher repercute no Twitter

Jornal abriu seu perfil na rede social para a divulgação de relatos de violência exatamente como eles são registrados, a cada 7 minutos

0

GABRIEL PINHEIRO,
O Estado de S. Paulo

09 Março 2016 | 21h28

A campanha do jornal O Estado de S. Paulo que expôs denúncias de violência contra a mulher chegou ao 4.º lugar nos Trending Topics do Twitter Brasil, termômetro que mede os assuntos mais discutidos na rede social. Durante todo o Dia Internacional da Mulher, o jornal abriu seu perfil na rede social para a divulgação de relatos de violência exatamente como eles são registrados no País, a cada 7 minutos. 

O Estado registrou 11,6 milhões de visualizações em seu perfil no Twitter, o que significou um aumento de 152,2% em relação à sua média diária. Em 24 horas, a hashtag #7minutos1denuncia teve 28,2 mil menções, segundo dados do próprio Twitter. Nesse período, as 205 denúncias foram retuitadas mais de 23 mil vezes. 

Para o professor Fábio Malini, coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura da Universidade Federal do Espírito Santo (Labic/Ufes), o jornal conseguiu ir além de seu público, atraindo influenciadores e novos seguidores. “O Estado, como um grande influenciador da rede, não era o dono da ação. Ela se tornou uma hashtag pública, propositiva do diálogo.” 

A temática de violência contra a mulher é recorrente na internet brasileira – recentemente, campanhas como #meuprimeiroassedio e #meuamigosecreto trouxeram a questão à tona. “Há tempos não vemos um veículo que tenha conseguido estabelecer uma conversação pública sobre isso”, diz.

Respeito. Criada em parceria com a agência FCB, a ação #7minutos1denuncia se tornou uma contestação aos clichês que envolvem o Dia da Mulher, diz Malini. “Elas não querem flores, querem respeito. Meu carinho e atenção às mulheres brasileiras #7minutos1denuncia”, tuitou o jornalista Marcelo Tas. “O Estado está com a tag #7minutos1denuncia. É extremamente desconfortável acompanhar, o que a torna muito necessária”, escreveu Marcos Donizetti em seu perfil.

 

Comentários