Cão é morto a facadas no Paraná

Principal acusado alegou legítima defesa, já que animal teria avançado sobre ele; testemunhas afirmaram que cão havia se escondido embaixo do carro do agressor

estadão.com.br,

03 Janeiro 2012 | 18h04

O último dia de 2011 foi marcado por uma atitude de crueldade contra um cão sem raça definida, morto a facadas na tarde do dia 31 de dezembro, em Guarapuava, cidade que fica no centro-sul do Paraná.

 

Um vídeo do resgate do cão foi colocado na internet para expor o caso, mas as cenas são extremamente fortes. A filmagem mostra Aldonei Bonfim, funcionário do canil municipal, removendo o cão que estava dentro de uma manilha (tubo de concreto utilizado em canalizações).

 

Bonfim informou ter sido comunicado apenas que um cachorro estava ferido na rua, por volta das 17 horas. Ele só percebeu a gravidade do caso depois de retirar o bicho, que estava com vários ferimentos.

 

Foram aproximadamente cinco golpes, espalhados pelo focinho, pata dianteira e dorso - esse último era tão profundo que permitia ver órgãos do cão.

 

Apesar de o animal ter sido socorrido com vida, ele não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo durante uma cirurgia para tentar salvá-lo. Nem mesmo a veterinária que o atendeu conseguiu conter a emoção ante tamanha crueldade.

 

O principal acusado de ter esfaqueado o animal é um homem de 50 anos, chamado Alcides Godói da Silva, que já foi indiciado por maus-tratos em razão desse triste episódio. Em depoimento, Silva alegou que sua atitude foi em legítima defesa, já que o cachorro teria entrado em seu quintal e avançado sobre ele. No entanto, algumas testemunhas afirmaram que o cão havia fugido em razão dos fogos de artifício e que havia se escondido embaixo do carro do agressor, que resolveu tirá-lo de lá a golpes de facão. O dono do cão ainda não se apresentou à delegacia.

Mais conteúdo sobre:
agressão animal cachorro faca Paraná

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.