Luiz da Luz/O Popular
Luiz da Luz/O Popular

PM que agrediu estudante em GO já havia sido denunciado por outros casos

Um deles envolveria menores de idade; segundo ficha, Augusto Sampaio de Oliveira Neto nunca sofreu punição, recebeu diversas condecorações e 34 elogios

Marília Assunção, Especial para o Estado

02 Maio 2017 | 12h25

Correções: 02/05/2017 | 13h45

GOIÂNIA - O capitão da Polícia Militar do Estado de Goiás Augusto Sampaio de Oliveira Neto, filmado agredindo manifestantes durante a greve geral na sexta-feira, 28, já foi denunciado por outras três agressões, uma delas envolvendo menores de 18 anos. Segundo a sua ficha funcional, o policial nunca sofreu uma punição, recebeu diversas condecorações e 34 elogios.

Embora a ficha funcional ainda não tenha chegado à Polícia Civil, o delegado Isaias Pinheiro, designado para avaliar se houve tentativa de homicídio contra o estudante Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, explicou que precisa aguardar o término do inquérito policial militar (IPM) aberto pela PM para apurar a "evidente lesão corporal gravíssima" sofrida pelo estudante. 

Pinheiro disse que vai requerer acesso aos autos após o término do IPM e deliberar pela necessidade ou não de instauração de inquérito policial para averiguar a ocorrência de crimes comuns.

Já o porta-voz da Polícia Militar, tenente-coronel Ricardo Mendes, restringiu-se a dizer que não foi a corporação quem divulgou a ficha do PM, alegando que estas informações são protegidas por uma portaria "que as classifica de maneira reservada".

Subcomandante da 37ª Companhia Independente, ligada ao Comando do Policiamento da Capital, o capitão Oliveira Neto permanece afastado do policiamento ostensivo, limitado ao serviço administrativo interno da corporação.

Correções
02/05/2017 | 13h45

O texto foi atualizado às 13h45 para corrigir a informação do número de denúncias de agressões cometidas pelo capitão da Polícia Militar do Estado de Goiás Augusto Sampaio de Oliveira Neto. A ficha funcional do policial relata três casos, não quatro como informado inicialmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.