Cariocas aproveitam feriado para viajar e fugir do tumulto

175 mil pessoas já garantiram suas passagens de ônibus para esta semana

Clarice Cudischevitch, Estado de S. Paulo

23 Julho 2013 | 18h41

Rio- Para muitos cariocas, os feriados de quinta, 25, e sexta-feira, 26, não serão aproveitados para ver o Papa, mas sim para "fugir" dele. Temendo tumultos e confusões no trânsito, moradores do Rio de Janeiro já planejaram viagens para os dias de folga, com a intenção de passar bem longe das comemorações da Jornada Mundial da Juventude.

O casal de aposentados Ary Ferreira e Marlene Morais é católico praticante, mas preferiu viajar para o sítio que mantém em Minas Gerais logo no começo da semana: "Somos religiosos, vamos à missa todo domingo, mas esse tumulto todo não vale a pena. Moramos em Copacabana e já basta a multidão do revéillon, com a qual convivemos todo ano!"

O publicitário Eduardo Sierra, de 23 anos, também é morador de Copacabana, onde acontecerá a Missa de Acolhida do Papa na quinta-feira, 25. Nesse dia, ele não vai viajar, mas vai ficar na casa de um amigo no Flamengo, também na zona sul do Rio. "Admiro a animação dos peregrinos, mas os transtornos causados no bairro já são grandes sem o Papa. Com ele, será impossível andar."

A estudante de propaganda e marketing Lívia Botelho, 22 anos, pretende ir para Petrópolis, na região serrana do Rio, se ganhar folga no estágio. "Sou agnóstica e me incomodo em ter que conviver com a muvuca causada por um evento religioso em um Estado laico."

De acordo com as 43 empresas de ônibus que operam na Rodoviária Novo Rio, 175 mil passageiros já garantiram a viagem para esta semana, principalmente para cidades litorâneas e região serrana. O dia em que mais gente deixará a cidade é quarta-feira, 24, quando mais de 30 mil pessoas sairão do Rio pelo terminal. A assessoria do aeroporto Santos Dumont informa que só terá dados sobre a saída no feriado na quarta, e a do Galeão afirma que não há expectativa de aumento de passageiros saindo da cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.