Elza Fiuza - Abr/Divulgação
Elza Fiuza - Abr/Divulgação

‘Carreira tem de ter dedicação exclusiva e controle rigoroso’, diz Padilha

Ministro da Saúde defende o programa 'Mais Médicos' e afirma que concorda com a estruturação da carreira

O Estado de S.Paulo

13 Julho 2013 | 16h23

Para o titular da pasta da Saúde, Alexandre Padilha, há um descompasso entre a oferta e a demanda de médicos que deve ser resolvido no curto prazo. Ele defendeu o programa Mais Médicos e afirmou que concorda com a estruturação da carreira, desde que haja dedicação exclusiva e controle rigoroso de presença.

Qual é o maior problema hoje da saúde brasileira?

ALEXANDRE PADILHA - O programa Mais Médicos busca enfrentar os principais problemas de forma conjunta. Vamos continuar investindo e ampliando a infraestrutura, com mais de R$ 12 bilhões em investimentos. E queremos formar mais médicos e mais médicos especialistas no Brasil. Esses dados mostram que já avançamos na infraestrutura de algumas unidades de saúde, que hoje têm como principal gargalo para funcionar a falta de profissionais.

Como essa questão da infraestrutura foi tratada durante a formulação do programa?

ALEXANDRE PADILHA - Nós levantamentos o número de unidades de saúde que estão ficando prontas e onde o maior problema para funcionar é a falta de médicos. Vamos continuar investindo para melhorar a infraestrutura, mas a questão do médico é crítica, porque o período para formar um médico demora de 6 a 8 anos. Por isso precisamos ter medidas já, imediatas, para levar médicos em unidades que já estão prontas e que não abrem por causa disso.

Entidades médicas dizem que a falta de uma carreira estruturada e o calote de algumas prefeituras afastam profissionais.

ALEXANDRE PADILHA - Por isso estamos fazendo uma chamada nacional de médicos que vão receber diretamente do Ministério da Saúde os R$ 10 mil por mês. Agora, nós achamos que é importante debater uma carreira pública para médicos, mas ela tem de ser de dedicação exclusiva, ou seja, ele não poderá ter clínica particular. Além disso, a proposta tem de ter critérios rigorosos de controle da presença do profissional na unidade de saúde.

O projeto de aumentar em dois anos o curso de Medicina para atuação profissional na rede pública também ajudará a minimizar a falta de médicos?

ALEXANDRE PADILHA - É importante frisar que o estudante vai atuar em uma unidade de saúde próxima da faculdade em que estudou. Esse modelo dos dois anos será implementado para os alunos que entrarem a partir de 2015 - ou seja, só em 2021 começará a efetivamente acontecer. Uma das ações do Mais Médicos é levar mais cursos de Medicina para o interior, e isso certamente significará uma contribuição para esse cenário. / R.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.