TV Anhanguera/Divulgação
TV Anhanguera/Divulgação

Cartaz em posto diz que crianças que choram são atendidas por último

Dentista responsável pela mensagem será afastada do cargo; caso ocorreu em Rio Verde, no interior de Goiás

Rubens Santos, Especial para O Estado

06 Maio 2014 | 19h46

GOIÂNIA - O secretário municipal de Saúde de Rio Verde, João Campos, decidiu pelo afastamento de uma dentista após a descoberta de um cartaz, fixado na parede externa do consultório de odontopediatria do posto de saúde de Rio Verde, a 240 quilômetros de Goiânia. O texto dizia: "crianças que choram serão atendidas por últimos".

Além de abertura de processo disciplinar, o secretário considerou o caso superado. "Todos os pacientes devem ser bem atendidos, receber os cuidados necessários e criança que chora também deve ser atendida, e muito bem atendida, como as demais", disse.

Campos disse estar surpreso com a repercussão do caso, e confirmou ter requerido a suspensão funcional da dentista. "O cartaz estava afixado no local há um ano, e já existiam outras reclamações", disse ele.

Para a coordenadora do Posto de Saúde, Ana Socorro Gonçalves, as chamadas "medidas de humanização" no atendimento dos pacientes deverão ser reafirmadas e observadas. "Não basta retirar um cartaz e sim criar meios que reduzam a ansiedade dos pais e das crianças, nos momentos que antecedem as consultas", afirmou.

A secretaria Estadual de Saúde, em Goiânia (GO), não emitiu nota oficial nem comentou o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.