Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Cinelândia entra no clima para fazer história de novo

Praça do centro do Rio famosa por atos políticos recebe limpeza e vistoria de segurança para [br]discurso de presidente

Wilson Tosta / RIO, O Estado de S.Paulo

16 Março 2011 | 00h00

A cinco dias do discurso que o presidente dos EUA, Barack Obama, fará aos brasileiros na Cinelândia, no centro do Rio, intensificaram-se ontem os preparativos no local para recebê-lo.

Cerca de 30 militares do Batalhão de Guarda e do 25.º Batalhão de Infantaria Paraquedista do Exército foram à praça para checagem de segurança, enquanto faxineiros limpavam com vassouras e jatos d"água a entrada do Teatro Municipal - de onde o mandatário americano deve falar -, e funcionários a serviço da Prefeitura do Rio tapavam buracos no calçamento de pedra em frente à Câmara Municipal.

Servidores do Departamento de Estado americano também circulavam pela área. De resto, o movimento era o de sempre, com moradores de rua nos bancos e alguns militantes de esquerda.

"Vamos vir aqui no domingo, mas não vai ser para bater palmas para o Obama, não", disse Matilde Alexandre, militante da campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso, cuidando de uma solitária banca de publicações e camisetas alusivas a Cuba e a Che Guevara, a 100 metros do teatro. Ela garantiu que um ato de protesto contra a "política imperialista" do visitante está sendo organizado, mas sem dar detalhes.

"A gente não pode falar onde é essa reunião, porque esse pessoal da CIA está aqui, é fogo", disse a militante, olhando desconfiada para os americanos de óculos escuros que circulavam pela área. "Nossa soberania está em jogo."

Figuras. Também andou pela Praça Floriano, nome oficial da Cinelândia, quem queria apenas fazer piada: Reinaldo Gaudêncio, um sósia do presidente americano, apareceu com "seguranças", e um calouro da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) posou fantasiado de Capitão América. O Teatro Municipal segue cercado por grades instaladas no carnaval, mas um funcionário informou que as estruturas seriam retiradas.

Ainda não foi confirmado o local exato de onde Obama fará seu discurso, mas é certo que haverá uma área para 500 convidados perto desse ponto, assim como um espaço para a imprensa e tradução simultânea para o português. O trânsito da região será modificado. O acesso será controlado: só entrará quem tiver identidade e não carregar nenhum volume. A agenda de Obama pelo Rio ainda não foi totalmente fechada, mas prevê uma visita ao Cristo Redentor.

PARA LEMBRAR

Local escolhido para o discurso de Barack Obama, a Cinelândia foi palco de algumas das principais manifestações políticas e populares no Rio ao longo do século 20 - muitas com viés antiamericano. Dos movimentos em favor da entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial ao lado dos aliados às mobilizações dos caras pintadas pelo impeachment de Fernando Collor, passando pelos atos contra a ditadura militar, a Praça Floriano e seu entorno receberam milhões de pessoas em protestos. A última grande manifestação popular bem sucedida no local foi a festa pela vitória de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.