Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Comerciante trocou a Mooca por Jundiaí

O comerciante Edson de Assis, de 46 anos, mudou-se com a família para Jundiaí (SP) há dez anos, em busca de qualidade de vida. Ele conta que escolheu a cidade por uma série de motivos, entre eles a proximidade com a capital (cerca de 50 km). "Além de estar muito perto de São Paulo, e isso significa das nossas mães e irmãos, Jundiaí dá acesso a outras cidades com muita facilidade", afirma.

Tatiana Fávaro / JUNDIAÍ, O Estado de S.Paulo

16 Julho 2011 | 00h00

Assis trocou o emprego em uma grande empresa com sede na capital para abrir uma loja de bicicletas em Jundiaí. E afirma que não se arrepende da escolha: "O melhor é que a cidade teve um crescimento organizado nesses últimos dez anos, mas sem perder aquela coisa de interior".

Para ele, uma das vantagens de morar numa cidade menor é o contato que se mantém com a vizinhança. "Em São Paulo, no último lugar que morei, eu sabia o nome de duas famílias do prédio. Aqui eu tomo cerveja com o vizinho, cortando grama no fim de semana."

Casado com Kátia Soares de Assis, de 42 anos, com quem tem duas filhas, Priscilla e Patrícia, com 19 e 16 anos respectivamente, ele diz que só após a mudança conseguiu ensinar as meninas a andar de bicicleta. "Quando chegamos a Jundiaí compramos umas bicicletas e ensinamos as meninas a pedalar. Hoje até minha sogra, com 71 anos, vem de São Paulo para andar de bicicleta com a gente. Ela também aprendeu aqui", lembra.

Aglomerado. Jundiaí tem 357,9 mil habitantes e é o maior entre os sete municípios que formam a sub-região que deve ser formalizada como aglomerado em projeto de lei a ser apresentado ainda este ano na Assembleia Legislativa de São Paulo. A formalização da sub-região é uma reivindicação antiga. Em 1995, como deputado estadual, Miguel Haddad (PSDB) apresentou um projeto de lei para a criação de uma região metropolitana que unisse as cidades do entorno de maneira institucionalizada. Hoje, no cargo de prefeito, Haddad espera a instituição do aglomerado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.