1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Comércio fecha as portas após protestos em Fortaleza

Carmen Pompeu - Especial para O Estado

15 Maio 2014 | 16h 43

Grupo de encapuzados começou o quebra-quebra; policias usaram balas de borracha para dispersar manifestantes

Atualizada às 18h28

FORTALEZA - Policiais e manifestantes entraram em confronto na passeata contra a Copa do Mundo nesta quinta-feira, 15, em Fortaleza. O protesto seguia pela Avenida dos Expedicionários, no bairro Vila União, com destino à sede da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), quando um grupo de encapuzados começou o quebra-quebra.

O clima ficou tenso. O comércio fechou as portas. Policias usaram balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar o grupo. Os estudantes revidaram com pedras.

Após a intervenção policial, muitos manifestantes seguiram por ruas laterais. Outros buscaram refúgio dentro do Instituto Federal do Ceará (IFCE), ponto inicial da manifestação. O grupo de estudante voltou a se reunir na Avenida 13 de Maio, onde foram montadas barricadas, que acabou sendo contidas pelos policiais.

Inicialmente, o grupo formado por cerca de 300 estudantes seguia para a Etufor com o objetivo de reivindicar passe livre para os estudantes. Mas outros grupos se juntaram, como o movimento dos atingidos pelas obras da Copa e os black blocs.

Uma faixa em referência ao Dia Mundial de Luta contra a Copa foi estendida na sede IFCE, ponto de onde partiu a passeata. Dezessete manifestantes foram detidos e liberados após revista. Nas mochilas, os policiais apreenderam estilingues e bombas caseiras.

Até o inicio da noite, policiais mantinham o bloqueio no trânsito. E os estudantes permaneciam reunidos em assembleia no interior do IFCE.