Comlurb já retirou 17 mil toneladas de escombros após desabamento no Rio

Caminhões fizeram 400 viagens para levar o material recolhido aos aterros sanitários

Agência Brasil,

26 Janeiro 2012 | 20h25

SÃO PAULO - Cerca de 17 mil toneladas de escombros foram recolhidos até as 17 horas de hoje (26) do local onde três prédios desabaram na Avenida 13 de Maio, no centro da capital fluminense. Os caminhões da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) fizeram 400 viagens a fim de levar o material recolhido para os aterros sanitários.

A Companhia Distribuidora de Gás do Rio de Janeiro (CEG) informou que o fornecimento de gás para as ruas localizadas no entorno dos prédios que desabaram permanece interrompido, por medida de segurança, a pedido da Defesa Civil estadual e da prefeitura do Rio.

Por causa do trabalho das equipes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros, que procuram vítimas sob os escombros, as avenidas 13 de Maio e Almirante Barroso permanecem interditadas entre a Avenida Rio Branco e a Rua Evaristo da Veiga.

Estão sendo usados dez painéis informativos, explicando as modificações no trânsito na área central da cidade. Para melhorar o tráfego na região da Cinelândia, a prefeitura inverteu a mão de direção da Rua Senador Dantas, entre a Avenida Almirante Barroso e a Rua Evaristo da Veiga.

O Itaú Unibanco divulgou há pouco nota informando que não há registro de funcionários nem de clientes da agência, que funcionava no térreo de um dos prédios que desabaram, na lista de desaparecidos.

O banco diz ainda que está colaborando com o trabalho do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil para adotar medidas cabíveis e necessárias no sentido de auxílio às autoridades. Segundo o comunicado do Itaú Unibanco "a agência não passava por reformas e não tinha hall de atendimento com caixas eletrônicos 24h".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.