1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Confronto entre manifestantes e policiais deixa dez feridos em Santa Maria

Elder Ogliari - O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2014 | 22h 47

Polícia disparou bombas de efeito moral na direção de pessoas que protestavam contra o aumento das passagens

PORTO ALEGRE - Um confronto entre manifestantes contrários ao aumento da passagem de ônibus e policiais militares deixou pelo menos dez pessoas levemente feridas em Santa Maria, na região central do Rio Grande do Sul, nesta quinta-feira, 20. O grupo, com dezenas de pessoas, se reuniu na Praça Saldanha Marinho e caminhou até a sede da Associação dos Transportadores Urbanos (ATU), na Avenida Rio Branco, para contestar o reajuste da tarifa, que passa de R$ 2,45 para R$ 2,60 nesta sexta-feira.

Manifestantes teriam atirado tinta, pedras e pedaços de paus no prédio e provocado a reação da polícia militar, que disparou bombas de efeito moral. Entre os feridos estavam ativistas e policiais.

Capital. Em Porto Alegre, o Bloco de Lutas pelo Transporte Público reuniu cerca de 200 pessoas no início da noite para advertir que não vai aceitar o reajuste das tarifas que a prefeitura está estudando e reiterar sua contrariedade com a Copa do Mundo. "Se não tivermos direitos, não vai ter Copa", avisou o grupo, em panfleto distribuído à população.

O grupo espalhou dejetos de animais diante do Paço Municipal, no centro, e depois caminhou até o bairro Azenha, onde protestou diante de uma garagem desativada de uma empresa de ônibus. Na volta ao centro, alguns adolescentes quebraram a vidraça de uma agência bancária. Depois disso, os manifestantes começara a se dispersar.

O protesto do Bloco de Lutas ocorreu no mesmo dia em que a presidente Dilma Rousseff esteve no Beira-Rio, na zona sul da cidade. Como o horário não estava informado, havia o temor de que os ativistas cercassem o estádio ao mesmo tempo da visita. Também pelas redes sociais, torcedores do Internacional demonstraram contrariedade e chegaram a falar em formar um cordão de isolamento em torno do Beira-Rio para evitar depredações. No final não houve conflitos.