Consórcio promete antecipar para 2010 Estação Faria Lima

Em meio a atrasos provocados por acidente na Linha 4, Via Amarela quer antecipar terminal previsto para 2012

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

03 Outubro 2007 | 00h00

O Consórcio Via Amarela, que faz a construção da Linha 4 - Amarela do Metrô, prevê entregar no início de 2010 seis estações na primeira fase da obra - Butantã, Faria Lima, Paulista, República, Luz e Pinheiros. De acordo com o diretor de contrato do consórcio, Marcio Pellegrini, apesar dos atrasos provocados pelo acidente na Estação Pinheiros e outros incidentes em várias frentes de obras, o cronograma será cumprido. "Hoje, 50% das obras da primeira fase, exceto Pinheiros, estão concluídas. Até a Estação Faria Lima, prevista para a segunda fase, está sendo incorporada à primeira etapa", explicou Pellegrini. Apesar do otimismo, o cronograma inicial está atrasado. As previsões apontavam para inauguração em novembro de 2008. Depois o prazo foi alterado para final de 2009 e agora a nova data é início de 2010. No início de setembro, o governo estadual havia admitido que a Estação Pinheiros, cujo desabamento em janeiro causou a morte de sete pessoas, acarretaria um atraso no cronograma e ficaria de fora da inauguração da primeira fase da Linha 4. "A Estação Pinheiros fica como especial no cronograma", havia dito o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, no dia 3 de setembro. Ontem, o diretor do consórcio disse que pode concluir a Estação Pinheiros se as investigações sobre o acidente forem encerradas até janeiro. Segundo o Metrô, está sendo levado em conta o atraso nas escavações na Estação Pinheiros, mas as obras podem ser concluídas junto com as demais estações da primeira fase. Segundo o Ministério Público Estadual, o atraso soma mais de 70 dias. A inauguração da Estação Faria Lima, segundo o Metrô, será adiantada para a primeira etapa. Ela pode servir de alternativa caso a Estação Pinheiros não seja concluída a tempo. Hoje, cerca de 85% dessa obra está pronta. Em 2012, na segunda fase, deverão entrar em operação as estações Vila Sônia, Morumbi, Fradique Coutinho, Oscar Freire e Higienópolis. Ontem, o Via Amarela, formado pela Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, OAS, Odebrecht e Queiroz Galvão, levou pela primeira vez jornalistas para visitar as obras da Linha 4. De acordo com Pellegrini, o objetivo é tranqüilizar a população em relação aos acontecimentos envolvendo o consórcio. "Fora o desabamento da Estação Pinheiros, todos os demais eventos (afundamentos na Rua dos Pinheiros e desalinhamento de 80 centímetros em trecho dos túneis sob a Avenida Francisco Morato, entre os poços de trabalho Três Poderes e Caxingui) são inerentes da atividade. Essa obra é a mais fiscalizada do Brasil. Desalinhamento ocorre em qualquer obra de metrô. O da Linha 4 foi por causa de falha humana", justificou. Os reparos no túnel sob a Avenida Francisco Morato, segundo Pellegrini, terão início após o Metrô autorizar o plano enviado na semana passada. São previstos 20 dias para fazer raspagens e alinhar as paredes. LICITAÇÕES A francesa Alstom e a espanhola Construcciones y Auxiliar de Ferrocarriles (CAF) entregaram ontem propostas para fornecimento de 17 trens ao Metrô. Na disputa de 40 trens para a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) fizeram ofertas o Consórcio Novo Trem, a CAF e a Siemens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.