Vidal Cavalcante/ESTADÃO
Vidal Cavalcante/ESTADÃO

Dados do IBGE mostram Brasil mais rural do que o imaginado

O estudo adotou três critérios básicos para elaboração de nova classificação: densidade, localização e tamanho da população

Daniela Amorim , O Estado de S.Paulo

31 Julho 2017 | 11h52

RIO - O Brasil é mais rural do que se supõe atualmente, conforme avaliação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

O instituto lançou nesta segunda-feira, 30, uma nova proposta para uniformizar a classificação de áreas urbanas e rurais, retratada na publicação Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil - uma primeira aproximação.

De acordo com a nova proposta, 76% da população brasileira residia em zona "urbana" em 2010, enquanto que, segundo a classificação adotada atualmente, 84,4% dos habitantes moravam na cidade.

O objetivo do estudo é promover uma discussão sobre os critérios de distinção entre rural e urbano até 2020, para que seja possível aprimorar a divulgação do próximo Censo Demográfico.

O instituto reconhece, entretanto, que a questão toca em pontos sensíveis, o que deve gerar um debate na sociedade. Atualmente, cada município define através de legislação municipal própria o que é considerado zona urbana e zona rural. 

A classificação determina a forma de incidência de tributos. Na área urbana é cobrado o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), recolhido para os cofres municipais, enquanto que na área rural a arrecadação é federal, explicou o órgão.

A proposta do IBGE adota três critérios básicos para a elaboração da nova classificação: a densidade demográfica, a localização em relação aos principais centros urbanos e o tamanho da população. Após análise dos critérios, os municípios foram caracterizados como "urbanos", "rurais" ou "intermediários". 

A metodologia aplicada segue as mesmas orientações de organizações internacionais como a União Europeia e a de países como os Estados Unidos, o que permitiria a comparabilidade dos resultados brasileiros.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.