Decretado novo mandado de prisão contra Nenê Constantino

Fundador da Gol é acusado de ser mandante de assassinato e de atentar contra a vida do genro

Vannildo Mendes, O Estado de S. Paulo

02 Março 2011 | 20h16

BRASÍLIA - O empresário Nenê Constantino, fundador da Gol Linhas Aéreas, teve novo mandado de prisão decretado pela Justiça, tão logo chegou na tarde de hoje para cumprir prisão domiciliar por obstrução do inquérito que apura seu envolvimento no assassinato de um líder comunitário e no atentado a bala ao ex-genro.

O novo decreto, assinado pelo juiz Fábio Esteves, do Tribunal do Júri de Brasília, prevê que ele seja recolhido a uma cela do núcleo de custódia da Papuda, ou outra unidade, onde deve aguardar o julgamento dos dois processos em regime fechado.

O advogado Alberto Toron informou que seu cliente já estava em Brasília para cumprir a prisão domiciliar, como determinara no dia anterior o juiz João Marcos Guimarães, da cidade satélite de Taguatinga, e considerou desnecessário novo mandado. Ele negou o envolvimento de Nenê nos crimes e anunciou que vai recorrer ao Tribunal da Justiça para relaxar a prisão do empresário. Segundo o advogado, Nenê está impossibilitado de ser recolhido ao presídio porque foi submetido a cateterismo recentemente, tem saúde frágil e idade avançada (79 anos).

Nenê é acusado de ser o mandante do assassinato do líder comunitário Márcio Leonardo Brito, executado a tiros em 2001. Brito comandava um grupo de invasores que ocupavam o terreno onde fica a garagem da empresa de ônibus de Nenê, em Taguatinga. Em 2008, o empresário Eduardo Queiroz, que enfrentava processo de separação litigiosa da filha de fundador da Gol, sofreu atentado a bala quando saía da empresa, supostamente a mando do sogro.

Preso em 2009, o pistoleiro João Marques dos Santos, que trabalhou nas empresas de Nenê por cerca de 20 anos, confessou ter participado dos dois crimes e de outros seis, a mando do empresário. Testemunha chave dos processos, Santos levou três tiros na porta de casa, há uma semana, mas sobreviveu. Ele revelou que vinha sofrendo ameaças para mudar o depoimento e acusou Nenê de ser o mandante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.