Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil

Brasil » Defensoria diz que há presos desaparecidos do Presídio de Cascavel

Brasil

Brasil

Paraná

Defensoria diz que há presos desaparecidos do Presídio de Cascavel

Rebelião deixou ao menos cinco mortos, dois deles decapitados; 851 detentos foram transferidos para cinco penitenciárias paranaenses

0

Miguel Portela,
Especial para o Estado

26 Agosto 2014 | 12h03

CASCAVEL - A rebelião na Penitenciária Estadual de Cascavel (PEC) terminou na madrugada desta terça-feira, 26, quando os dois agentes penitenciários que estavam reféns foram libertados pelos presos. O comando da Polícia Militar informou que cinco pessoas foram mortas (duas delas decapitadas), mas esse número pode aumentar porque há detentos desaparecidos.

A informação foi repassada no final da manhã desta terça-feira pela Defensoria Pública do Estado do Paraná, que acompanha desde o início o motim no último domingo, 24. "Que há desaparecidos é um fato, mas é preciso esperar para saber se fugiram ou foram mortos", disse o defensor público de Cascavel, Marcelo Diniz.

Cinco defensores públicos de diversas cidades paranaenses foram deslocados para acompanhar o trabalho de rescaldo na penitenciária, que ficou praticamente destruída. 

De acordo com os defensores, é preciso aguardar o trabalho de "varredura" que está sendo feito dentro das galerias da PEC para avaliar a real situação do que aconteceu durante a rebelião, uma das piores da história do sistema carcerário do Paraná, por causa da brutalidade e da violência.

Corpos. Na manhã desta terça-feira, quatro corpos de vítimas da rebelião chegaram ao Instituto Médico Legal (IML) de Cascavel. 

De acordo com o órgão, dois dos quatro corpos estão intactos - um deles tinha uma corda em volta do pescoço e o outro estava com as mãos amarradas com corda. Uma das vítimas tem uma tatuagem no braço com a frase "Deus é fiel". Os outros dois corpos que chegaram ao IML estão mutilados, com partes carbonizadas.

Durante a madrugada desta terça-feira, foi concluída a transferência dos 851 detentos. Eles seguiram para unidades de Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Cruzeiro do Oeste, Maringá e Curitiba.

Cerca de 200 presos permanecem na PEC. Eles estão abrigados em uma da galeria que não foi destruída durante o motim.

Mais conteúdo sobre: