1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Defensoria diz que há presos desaparecidos do Presídio de Cascavel

Miguel Portela - Especial para o Estado

26 Agosto 2014 | 12h 03

Rebelião deixou ao menos cinco mortos, dois deles decapitados; 851 detentos foram transferidos para cinco penitenciárias paranaenses

CASCAVEL - A rebelião na Penitenciária Estadual de Cascavel (PEC) terminou na madrugada desta terça-feira, 26, quando os dois agentes penitenciários que estavam reféns foram libertados pelos presos. O comando da Polícia Militar informou que cinco pessoas foram mortas (duas delas decapitadas), mas esse número pode aumentar porque há detentos desaparecidos.

A informação foi repassada no final da manhã desta terça-feira pela Defensoria Pública do Estado do Paraná, que acompanha desde o início o motim no último domingo, 24. "Que há desaparecidos é um fato, mas é preciso esperar para saber se fugiram ou foram mortos", disse o defensor público de Cascavel, Marcelo Diniz.

Cinco defensores públicos de diversas cidades paranaenses foram deslocados para acompanhar o trabalho de rescaldo na penitenciária, que ficou praticamente destruída. 

De acordo com os defensores, é preciso aguardar o trabalho de "varredura" que está sendo feito dentro das galerias da PEC para avaliar a real situação do que aconteceu durante a rebelião, uma das piores da história do sistema carcerário do Paraná, por causa da brutalidade e da violência.

Corpos. Na manhã desta terça-feira, quatro corpos de vítimas da rebelião chegaram ao Instituto Médico Legal (IML) de Cascavel. 

De acordo com o órgão, dois dos quatro corpos estão intactos - um deles tinha uma corda em volta do pescoço e o outro estava com as mãos amarradas com corda. Uma das vítimas tem uma tatuagem no braço com a frase "Deus é fiel". Os outros dois corpos que chegaram ao IML estão mutilados, com partes carbonizadas.

Durante a madrugada desta terça-feira, foi concluída a transferência dos 851 detentos. Eles seguiram para unidades de Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Cruzeiro do Oeste, Maringá e Curitiba.

Cerca de 200 presos permanecem na PEC. Eles estão abrigados em uma da galeria que não foi destruída durante o motim.

Motim em Cascavel
CGN - Central Gazeta de Notícias/Divulgação

Ao menos quatro detentos foram mortos - dois decapitados - durante rebelião neste domingo, 24, na PEC (Penitenciária Estadual de Cascavel), no oeste do Paraná. De acordo com a Polícia Militar, há vários presos feridos e dois agentes penitenciários foram feitos reféns.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo