1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Defensoria recebe 10 queixas por danos ao patrimônio contra policiais

Pedro Dantas - O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2010 | 19h 04

Posto itinerante atendeu 300 pessoas no Complexo do Alemão; maioria era pedido de novos documentos

RIO - Dos 300 atendimentos do posto itinerante da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, apenas 10 moradores deram queixa por danos ao patrimônio supostamente por policiais que participam da ocupação do Complexo do Alemão. Duas mulheres atendidas na manhã de hoje acusaram policiais do 7º Batalhão da Polícia Militar (PM) por ter quebrado alguns móveis.

 

"As demais reclamações não apontam o autor do dano. Os reclamantes não sabem dizer se foram os policiais ou os vizinhos. Os casos serão encaminhados para a Corregedoria da Polícia Militar", disse a coordenadora do atendimento, Darci Burlandi.

Segundo ela, a maioria dos atendimentos era para emissões da segunda via de documentos. Agentes da Corregedoria Geral Unificada (CGU) também estavam na entrada da Favela da Grota com coletes identificados para receber queixas.

 

Veja também:

linkMoradores reclamam das revistas feitas por policiais

linkBope destrói casamata do tráfico e encontra bazuca

linkPM acha mais 2,5 t de maconha e incinera outras 40 t

linkBeltrame nega tiroteio no Morro da Fazendinha

link'Não tenho pretensão de acabar com tráfico', diz Beltrame

linkDilma quer tropas no Rio até a Copa

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video VÍDEO - 'UPP não tem futuro sem reforma na polícia'

especial CRONOLOGIA - A crise de violência carioca

 

Na comunidade, vários moradores deixaram bilhetes nas portas aos policiais avisando que a revista da casa já foi feita. Alguns deixaram até o telefone de contato para que os agentes fizessem ligassem, "em caso de dúvida".

A maioria reclama que os policiais entram nas casas sem qualquer mandado de busca e apreensão, com base apenas em suspeitas. Desinformados, muitas vezes agentes de outras unidades retornam à mesma residência para outra revista.

 

Militantes da Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência também estiveram na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, onde os moradores também relatam abusos. "Ouvimos 20 moradores. Registramos o caso de um jovem agredido e os outros casos são de furtos e danos ao patrimônio", disse a militante Patrícia Oliveira, de 36 anos.

Parente de um dos traficantes da favela, a geógrafa Isabel Cristina Jennerjahn, de 49 anos, mora no norte do País e veio ver as condições de segurança dos familiares. Ela disse que os parentes dos criminosos também estão sendo criminalizados. "A polícia entra nas casas e leva o que tem de valor. Em seguida, eles convocam os moradores para a pilhagem da residência", disse Isabel. Ela anunciou que voltaria na noite de hoje para o norte do País.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo