Polícia Rodoviária Federal/Divulgação
Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

Deficiente visual é preso por pilotar moto embriagado e sem habilitação

Homem viajaria 270 quilômetros entre Campinas e Alfenas, mas parou após 170 quilômetros para pedir informações em posto da PRF em Poços de Caldas

Rene Moreira, Especial para o Estado

02 Dezembro 2016 | 10h54

FRANCA - Um deficiente visual foi preso em Poços de Caldas, no sul de Minas Gerais, por dirigir embriagado e não portar carteira nacional de habilitação (CNH). Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o homem estava em alta velocidade em uma motocicleta, tendo saído de Campinas, no interior de São Paulo, rumo a Alfenas, em Minas, em um trajeto de 270 quilômetros.

O motociclista teve a viagem interrompida, porém, após percorrer cerca de 170 quilômetros. Ele parou em um posto da PRF para pedir informações, e de imediato, pela forma como conduzia o veículo, por volta das 18h30 de quarta-feira, 30, chamou a atenção dos policiais.

Ao verificarem a situação do condutor, de 49 anos, eles constataram se tratar de uma pessoa impedida de conduzir qualquer veículo por ter apenas 8% da visão em um olho e 4% no outro. Além disso, o teste de bafômetro confirmou que ele estava embriagado.

Segundo o policial Breno Ferreira, o etilômetro apontou 0,9 miligrama de álcool por litro de sangue - vinte vezes acima de 0,05 miligrama, quantidade por lei já considerada infração grave. 

Perigo. A moto avançou em alta velocidade no posto da PRF na BR-146. "É difícil até imaginar como ele chegou aqui. Ele colocou em risco a própria vida e as de outras pessoas", falou o policial. 

Levado à delegacia, o homem - que teve apenas as iniciais divulgadas (M.M.S.), foi liberado após ser autuado e pagar fiança. No entanto, teve a motocicleta apreendida e responderá por direção perigosa e por conduzir veículo sob efeito de álcool.

Mais conteúdo sobre:
Minas Gerais CNH Campinas São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.