Demolição e polêmica na Nova Luz

SP põe imóveis abaixo e divulga lista de empresas que irão para a Cracolândia, mas companhias dizem ignorar assunto

Humberto Maia Junior e Rodrigo Brancatelli, O Estadao de S.Paulo

27 Outubro 2007 | 00h00

A Prefeitura demoliu ontem o primeiro imóvel para transformar a Cracolândia, no centro, em Nova Luz. No evento em que a administração pôs abaixo a loja de número 381 da Rua General de Couto Magalhães, o prefeito Gilberto Kassab anunciou o nome de 23 empresas, de tecnologia, call center, cultura e publicidade, que devem se instalar na região - entre elas o Instituto Moreira Salles e multinacionais como Microsoft e IBM. Mas algumas companhias afirmaram que nada está fechado e revelaram mal-estar com o anúncio. Segundo a assessoria da IBM, "ainda está sendo negociada a ida da empresa para a Nova Luz e não há projeto final". "A IBM não fechou nada, e ainda é preciso saber as condições para a empresa se instalar na região." A Microsoft, limitou-se a dizer que o anúncio da Prefeitura "não procede". Procurado, o Instituto Moreira Salles não respondeu ao Estado. As 23 empresas apresentaram projetos para ocupar uma área de 150 mil metros quadrados da Nova Luz, após consulta aberta pela Prefeitura. O que as companhias ouvidas pelo Estado alegam é que isso foi apenas uma etapa do processo de instalação na região, que depende de benefícios fiscais. "Esse anúncio foi um atestado da Prefeitura sobre quais empresas estão de fato habilitadas para se mudar para o centro, mas ainda não se discutiu o porcentual do benefício", disse Carlos Alberto Viceconti, sócio da Digisign Ltda. "Nós com certeza iremos, já até alugamos uma sala num prédio antigo." A Prefeitura admitiu que as negociações não estão concluídas. Mas disse ter "certeza" de que todas as 23 empresas irão para a Nova Luz. A Prefeitura decretou de utilidade pública 269,3 mil m² na região. Nos 150 mil m², a empresa interessada negociará com o dono a compra do terreno. Se houver impasse, a administração vai desapropriar a área e revendê-la. O impasse diz respeito aos incentivos. Por lei, as empresas poderão receber créditos de até 80% do valor do imóvel. Os critérios serão definidos até o fim do ano. Por enquanto, só está certo que quem se instalar na região terá desconto de 50% no IPTU e de 60% no ISS. EMPRESAS Atento Brasil S/A Audatex Bracor Empreendimentos Imobiliários Ltda. Bravo Telecomunicações BRQ Soluções de Informática BR Properties S/A DMF Construtora Digisign E-Safetransfers S/A Fess? Kobbi Comunicação IBM Brasil Instituto Moreira Salles Klar Klar Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Magna Sistemas Consultoria Magna Web Mercado Eletrônico Meta Serviços em Informática Microsoft Partifib Pyxisinfo Tecnologia TMS Call Center TNL Contax

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.