Roberto Stuckert Filho/PR
Roberto Stuckert Filho/PR

Denúncia de corrupção ameaça ministro dos Transportes e abre nova crise na base

Demissão de 4 integrantes da cúpula da pasta no fim de semana, a mando de Dilma, após reportagem da ''Veja'' ter denunciado esquema de propina, fragiliza Alfredo Nascimento e aumenta tensão com o PR, que controla o setor; oposição já sugere CPI

Denise Madueño e Rosa Costa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2011 | 00h00

O afastamento da cúpula do Ministério dos Transportes por suspeita de corrupção pela presidente Dilma Rousseff no final de semana deixou o ministro Alfredo Nascimento (PR) em posição insustentável no comando da pasta, na avaliação de aliados do Planalto. A queda do ministro é esperada em breve por governistas e a oposição avalia a apresentação de um pedido de criação de Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o caso.

A rapidez com que Dilma atuou no episódio levantou ressentimentos na base. Parlamentares aliados previam, ontem, dificuldades futuras para a presidente na relação com os partidos que a apoiam no Legislativo. Eles sustentam que a presidente humilhou o PR, que comanda o Ministério dos Transportes, e fragilizou a confiança com a base pela forma com que agiu.

Dilma anunciou o afastamento assim que a revista Veja começou a circular com a denúncia sobre um esquema de cobrança de propinas na pasta, na manhã de sábado, sem dar chance ou prazo para explicações ao ministro Alfredo Nascimento. Esses fatos, avaliam governistas, revelam que Dilma já pretendia fazer mudanças no ministério e aproveitou a oportunidade.

Nos bastidores, as desconfianças com a presidente vão além. Setores da base afirmam não ter dúvidas de que as informações sobre o suposto esquema foram passadas à revista por integrantes do próprio governo.

Reportagem publicada pela revista revela um esquema montado nos Transportes baseado na cobrança de propinas de 4% das empreiteiras e de 5% das empresas de consultoria que elaboram os projetos de obras em rodovias e ferrovias.

Foram afastados pelo governo o diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, o presidente da Valec Engenharia, José Francisco das Neves, o chefe de gabinete do ministério, Mauro Barbosa Silva, e o assessor Luís Tito Bonvini.

"Ao afastar, como fez, os suspeitos, a presidente legitimou as denúncias, que não traziam nenhuma prova. Ela criou uma oportunidade para a abertura de uma CPI", avaliou um deputado da base de Dilma. "A presidente vai ter uma crise política com o PR, que vai dar o troco."

Oposição. Ao mesmo tempo em que aplaudiu a atitude de Dilma, a oposição quer mais investigações. O PSDB avalia a criação de uma CPI. O líder do partido na Câmara, Duarte Nogueira (SP), afirmou que vai entrar com um pedido de investigação no Ministério Público Federal, com um requerimento à Polícia Federal e com uma solicitação de auditoria especial para o Tribunal de Contas da União (TCU). Um requerimento de convocação do ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, será apresentado nesta semana em uma comissão da Câmara.

"Os fatos são graves. O afastamento foi correto, mas há necessidade de investigações mais profundas", disse o tucano.

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) cobrou a demissão do ministro Alfredo Nascimento junto com a equipe. "Será que ele não sabia? A ser verdade a diatribe contra o pessoal do ministério, a presidente tinha obrigação de demitir todos", disse.

O líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres (GO ), considerou que Dilma deu uma resposta imediata. "Espero que ela continue nesta linha", disse. "O ministro também deve entrar na linha de tiro da presidente. Torcemos para que o surto moralizador vá adiante", completou.

SUCESSÃO DE PROBLEMAS

Após a 1ª queda no ministério, nova articulação

Queda

Com a saída de Antonio Palocci da Casa Civil, Dilma refez a articulação política com Ideli Salvatti à frente do Ministério das Relações Institucionais

Pressão

Para agradar ao PMDB e evitar novas crises, Dilma confirmou o deputado Mendes Ribeiro, do PMDB-RS, como líder do governo no Congresso

Tensão na base

Quando testa a nova articulação política, Dilma afasta 4 integrantes dos Transportes e abre novo foco de tensão na base aliada, desta vez com o PR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.