Denúncia de propina põe ANP sob investigação

Época revelou vídeo, gravado em 2008, em que representantes da agência pedem dinheiro a advogada para livrar empresas de processos

, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2011 | 00h00

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal investigam suposto esquema de corrupção instalado na Agência Nacional de Petróleo (ANP) pelo menos desde 2008, informou reportagem da revista Época.

A revista obteve o vídeo gravado pela advogada Vanuza Sampaio, que representa interesses de várias empresas com processos na ANP, durante conversa com Antonio José Moreira e Daniel Carvalho Lima, que trabalharam na agência. Os dois sugerem que as empresas paguem para driblar a fiscalização da ANP. O vídeo, gravado em 2008, é peça da investigação.

O ex-superintendente da ANP Edson Silva, do PC do B, é citado nas conversas como integrante do esquema de extorsão. O pagamento de propina chegou a R$ 50 mil em um dos casos relatados pela revista.

Procurada pelo Estado, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou, por meio de sua assessoria, que advogada Vanuza Sampaio encaminhou em 2008 as denúncias de propina e corrupção para a área de inteligência da ANP. A própria autarquia teria encaminhado as informações ao Ministério Público, que iniciou investigações.

A agência informou ainda que Antonio José Moreira e Daniel Carvalho de Lima, flagrados pela advogada Vanuza Sampaio na negociação de propina, nunca foram assessores da ANP.

Um deles era procurador indicador à ANP pela União; o outro, estagiário de Procuradoria. Ambos não trabalham mais na autarquia há pelo menos um ano, informou a assessoria. Citado nas gravações, o ex-superintendente de abastecimento da agência, Edson Menezes Silva, ex-deputado federal pelo PCdoB, negou todas as acusações. / COLABOROU ALESSANDRA SARAIVA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.