Deputado chama ministro negro de ''moreno escuro''

Em reunião ontem da bancada do DEM, o deputado Júlio Campos (MT) chamou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, de "ilustre ministro moreno escuro". Diante da repercussão, o deputado divulgou nota para se desculpar.

Eugênia Lopes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

23 Março 2011 | 00h00

Na nota, o deputado diz ter feito contato com o gabinete de Barbosa para que fossem repassadas "desculpas ao magistrado por eventuais constrangimentos referentes ao que foi divulgado pela mídia". Mas "deixou bem claro que não houve o interesse em desprestigiá-lo".

O líder do DEM, Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), confirmou que a expressão usada por Campos não teve sentido "jocoso nem de preconceito".

"O deputado federal Júlio Campos (DEM-MT) vem esclarecer juntamente à imprensa", diz o texto, "que, quando usou a expressão "ilustre ministro moreno escuro", em menção ao ministro do STF Joaquim Barbosa, foi somente por não lembrar naquele momento o nome do magistrado. De acordo com o deputado, não houve interesse de desmerecer o ministro na expressão. A fala do parlamentar ocorreu quando tratava d o Foro Privilegiado, uma das discussões da Reforma do Código Penal".

Na reunião, Campos defendeu a prisão especial para autoridades, um dos pontos do Código Penal. "O parlamentar também se posicionou, na ocasião, contrário ao Foro Privilegiado por acredita que ele é uma utopia, enquanto outros processos passam por quatro instâncias, o Foro Privilegiado passa somente por uma. No entanto, entende que devem ter direito à prisão especial autoridades civis, militares, eclesiásticas devidamente constituídas", conclui a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.