Deputado petista vai lançar seu nome à sucessão de Michel Temer na presidência da Câmara

SUCESSÃO NO CONGRESSO

, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2010 | 00h00

Se confirmada a vitória de Dilma Rousseff (PT), seu candidato a vice, deputado Michel Temer (PMDB-SP), está decidido a não renunciar à presidência da Câmara até o dia da posse, em 1.º de janeiro. No entanto, deixaria o comando da Casa, de fato, ao vice-presidente Marco Maia (PT-RS). Ele deverá comandar as sessões que ainda restam na volta dos trabalhos legislativos. O deputado petista confirmou ontem, durante o debate na TV Globo, que levará o seu nome ao partido como candidato à sucessão de Temer. Alega que o PT tem direito à presidência da Câmara de 2011 a 2012, por ter a maior bancada. O problema é que o PMDB também reivindica o cargo para o deputado Henrique Eduardo Alves (RN), com o argumento de que Temer tentaria a reeleição se não fosse vice de Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.