EDMAR BARROS/FUTURA PRESS
EDMAR BARROS/FUTURA PRESS

Detentos ameaçados trocam de prisão duas vezes em apenas um dia

Na 2ª, Secretaria Adjunta de Operações informou que transferência era necessária para evitar futuras mortes. Força Nacional desembarcou nesta 3ª em Manaus 

Márcia Oliveira, O Estado de S. Paulo

10 Janeiro 2017 | 11h35

MANAUS - Os 20 detentos que haviam sido transferidos na manhã de segunda-feira, 9, para a unidade prisional de Itacoatiara, na região metropolitana de Manaus, estão retornando para a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no centro da capital, nesta terça, 10. A informação foi confirmada pelo comando da operação.

Segundo a Polícia Militar, a determinação foi da juíza de Execuções Penais do município, Dinah Câmara. 

Na segunda-feira, o titular da Secretaria Adjunta de Operações (Seaop), Orlando Amaral, havia afirmado que a decisão de transferir os presos de Manaus para Itacoatiara havia sido tomada para evitar futuras mortes. 

FORÇA NACIONAL

Na madrugada desta terça-feira, a primeira aeronave modelo C-99 trazendo a Força Nacional desembarcou no Aeroporto de Ponta Pelada, no bairro Crespo, zona sul da capital, com 29 pessoas a bordo. Uma segunda aeronave modelo Hércules chegaria ainda nesta manhã, com mais 71 homens. Ao todo, cem pessoas foram destacadas para compor a equipe que reforçará a segurança no Estado. 

A medida faz parte do auxílio do governo federal a sete Estados que pediram ajuda para reforçar a segurança do sistema penitenciário local. Além do Amazonas e Roraima, também solicitaram ajuda Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Amazona (SSP-AM), a ideia principal é que o efetivo dê reforço na segurança do entorno, podendo dar apoio às barreiras, ajudar na recaptura de fugitivos, escolta e guarda de presos que eventualmente precisem se deslocar para algum tribunal, por exemplo.

MASSACRE EM MANAUS

Um sangrento confronto entre facções no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, deixou 56 mortos entre a tarde de 1º de janeiro e a manhã do dia 2. A rebelião, que durou 17 horas, acabou com detentos esquartejados e decapitados no segundo maior massacre registrado em presídios no Brasil - em 1992, 111 morreram no Carandiru, em São Paulo. Treze funcionários e 70 presos foram feitos reféns e 184 homens conseguiram fugir. Outros quatro presos foram mortos no Instituto Penal Antonio Trindade (Ipat), também em Manaus. Segundo o governo do Amazonas, o ataque foi coordenado pela facção Família do Norte (FDN) para eliminar integrantes do grupo rival, o Primeiro Comando da Capital (PCC). 

Cinco dias depois, o PCC iniciou sua vingança e matou 31 detentos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (PAMC), em Boa Vista, Roraima. A maioria das vítimas foi esquartejada, decapitada ou teve o coração arrancado, método usado pelo PCC em conflitos entre facções. Com 1.475 detentos, a PAMC é reduto do PCC, que está em guerra contra a facção carioca Comando Vermelho (CV) e seus aliados da FDN. Roraima tem 2.621 presos - 900 dos quais pertenceriam a facções, a maioria do PCC. No total, 27 facções disputam o controle do crime organizado nos Estados.

A guerra de facções deixou o sistema penitenciário em alerta, os e governadores de Amazonas, Roraima, Rondônia, Acre, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul pediram ajuda do governo federal com o envio da Força Nacional. Amazonas foi o primeiro Estado a receber. A crise é tamanha que, segundo o Conselho Nacional de Justiça, são necessários R$ 10 bilhões para acabar com déficit prisional no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.