Diálogos de pilotos começam a ser transcritos nesta terça

Pilotos são do vôo 3054, que se chocou com um prédio na semana passada e deixou pelo menos 200 mortos

24 Julho 2007 | 12h41

O coronel da Aeronáutica, Fernando Camargo, disse que  os técnicos  do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) começarão a extrair nesta terça-feira, 24, a transcrição da voz dos pilotos dos vôos da TAM, que está na caixa preta que chegou na segunda ao National Transportation Safety Board (NTSB), em Washington. O NTSB é o local onde está sendo realizado o processo técnico de extração de dados.   Veja Também:    Uma semana depois, apenas 68 vítimas são identificadas Lista de vítimas do acidente do vôo 3054  O local do acidente  Quem são as vítimas do vôo 3054  Histórias das vítimas do acidente da TAM  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Acidentes em Congonhas  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054   Quando voltarem ao Brasil, os técnicos da Aeronáutica cruzarão essa transcrição com as informações do vôo que estão na outra caixa preta, a de dados, como altura e velocidade, explicou. As transcrições serão feitas em inglês para que, depois de terminada a análise da Aeronáutica brasileira, um relatório seja distribuído para o governo brasileiro, funcionários da TAM, da Airbus e da empresa norte-americana Pratt & Whitney, que forneceu os motores da aeronave. As conclusões finais da investigação podem durar meses.   Validação   O coronel disse também que o  processo de validação dos dados das duas caixas pretas do avião Airbus 320 da TAM que se acidentou na semana passada em São Paulo deve ser concluído até sexta-feira,. A colisão, ocorrida na última terça-feira, deixou quase 200 mortos quando o avião, vindo de Porto Alegre, não conseguiu pousar na pista molhada do aeroporto de Congonhas. "Eu estou tentando ver se consigo terminar isso até esta quinta, sexta-feira", disse Camargo a jornalistas na porta do National Transportation Safety Board (NTSB), lugar onde está sendo realizado o processo técnico de extração de dados. "Nós vamos poder ir embora quando tivermos uma tranquilidade para dizer que a gente não vai mais precisar do trabalho da engenharia do NTSB", acrescentou. Camargo explicou que o NTSB não faz trabalho de análise dos dados das caixas pretas, os técnicos somente extraem os dados e verificam se eles são confiáveis. (Com Reuters)

Mais conteúdo sobre:
BRASIL ACIDENTE AEREAS CORONEL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.