Dilma considera como 'barbárie' vandalismo em SP e cobra punição

Durante o quebra-quebra, 10 ônibus, 17 caixas eletrônicos e orelhões foram destruídos; na ação um coronel da PM também foi espancado por mascarados

Erich Decat, O Estado de S. Paulo, Brasília

26 Outubro 2013 | 12h52

A presidente Dilma Rousseff classificou neste sábado como "barbárie" os atos de vandalismo ocorridos na noite de ontem em São Paulo e cobrou punição dos responsáveis pelo quebra-quebra realizado por mascarados na região central da cidade.

"São barbáries antidemocráticas. A violência cassa o direito de quem quer se manifestar livremente. Violência deve ser coibida", disse a presidente por meio do microblog Twitter. "As forças de segurança têm a obrigação de assegurar que as manifestações ocorram de forma livre e pacifica", acrescentou.

Na sequência, ela cobrou que a Justiça puna os abusos, nos termos da lei. Os atos de vandalismo que geraram destruição no centro da cidade teve início durante o Ato do Movimento Passe Livre (MPL) em defesa do transporte gratuito.

A manifestação terminou em confronto entre policiais e mascarados. Ao todo 78 pessoas foram detidas. As cenas de destruição se concentraram no Terminal Parque Dom Pedro II quando manifestantes quebraram dez ônibus e a bilheteria.

Na ação também foram depredados 17 caixas eletrônicos e orelhões. No meio do quebra-quebra, o coronel da PM Reynaldo Rossi foi agredido com uma placa de ferro e após ser espancado por alguns mascarados deu entrada no Hospital das Clinicas com fratura na escápula e suspeita de traumatismo craniano.

A presidente Dilma também condenou as agressões sofridas pelo militar. "Presto minha solidariedade ao coronel da PM Reynaldo Simões Rossi, agredido covardemente ontem por um grupo de black blocs em SP", afirmou a presidente."Agredir e depredar não fazem parte da liberdade de manifestação. Pelo contrário", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.