Dilma perde 'cercadinhos' para passar simpatia ao eleitorado

Cobrada pelo presidente Lula, por governadores e senadores eleitos,candidata decidiu reformular a campanha

Vera Rosa, Tânia Monteiro / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2010 | 00h00

Na tentativa de exibir uma imagem de mais simpatia, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, vai se aproximar da população e andar mais livremente, sem os tradicionais "cercadinhos" que a separam dos eleitores. Cobrada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por governadores e senadores eleitos, Dilma decidiu reformular a campanha.

A senadora eleita Marta Suplicy (PT-SP) disse à candidata, na segunda-feira, que ela deve conversar mais com as pessoas. "Você precisa vestir as sandálias da humildade", aconselhou Marta. O presidente bateu na mesma tecla. "Teve sapato alto e clima de já ganhou no primeiro turno. Isso precisa mudar", concordou Lula, segundo relato de governadores e senadores eleitos da base aliada que se reuniram com ele, ontem, em café da manhã no Palácio da Alvorada.

Uma das mudanças foi observada à tarde, quando Dilma dispensou os púlpitos de acrílico usados por ela em entrevistas. Os dois, chamados de "Alfredo" e "Alberto", têm sido seus companheiros inseparáveis. Os "cercadinhos", por sua vez, ajudam a manter a distância dos jornalistas.

Petistas e aliados do PMDB, porém, reclamaram que Dilma se comportou no primeiro turno como se já fosse presidente, transmitindo arrogância. Ela, então, resolveu testar novo estilo.

Na reunião com os governadores e senadores eleitos, no Palácio da Alvorada, Lula disse que a segunda rodada da disputa pode ser encarada como "uma lição" e servirá para que o PT tenha "mais humildade".

Rodoviária. Em Brasília, pouco antes do primeiro turno, Dilma protagonizou uma cena emblemática de seu distanciamento dos eleitores, agora criticado por aliados. Em visita à rodoviária da capital, ela foi recebida com estrutura presidencial. Grades de ferro a separaram da população e dos cerca de 500 manifestantes ali reunidos. Só conseguiu se aproximar da candidata quem ficou espremido na linha de frente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.