Epitacio Pessoa/AE-21/3/2011
Epitacio Pessoa/AE-21/3/2011

Dirceu diz que fim da reeleição prejudica o PT

Para ex-ministro, medida da reforma política busca evitar permanência do partido no Planalto

Roldão Arruda, O Estado de S.Paulo

27 Março 2011 | 00h00

Em seminário realizado pelo PT, em São Paulo, para discutir reforma política, o ex-ministro José Dirceu conclamou militantes e líderes do partido para barrarem a proposta que põe fim ao estatuto da reeleição. Na sua opinião, o principal alvo da mudança, já aprovada na Comissão de Reforma Política do Senado, é o PT.

"Eles querem acabar com a reeleição porque esse é o momento do nosso ciclo histórico", disse no encontro de ontem à tarde, em São Paulo. "Vamos deixar de ser ingênuos. Nós é que temos iniciativa, hegemonia, ofensiva para poder nos reeleger."

Segundo Dirceu, aplaudido três vezes durante sua intervenção no debate, o PT também deve se mobilizar contra qualquer iniciativa destinada a por fim ao voto obrigatório - uma vez que a medida prejudicaria sobretudo o eleitorado mais próximo do petismo. Para ele, o fim da reeleição não reduzirá os problemas de corrupção e de uso da máquina política nas eleições. "Alguém acha, em sã consciência, que vai acabar o uso da máquina a favor deste ou daquele porque vai acabar a reeleição? Se o Serra for candidato em 2014 e não o Alckmin, não vai se usar a máquina? Não tem nada a ver."

Para o ex-chefe da Casa Civil e coordenador da campanha vitoriosa de Lula em 2002, o PT tende a ser o partido mais beneficiado a com a reforma, graças à sua estrutura, sua base de apoio à sua história. Para que isso ocorra, porém, precisa de alianças com partidos próximos e movimentos sociais. "Não vamos ter ilusões", disse. "O PSDB e o PMDB vão caminhar juntos na reforma política."

O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (SP), disse que o quadro da reforma ainda é incerto. "Existe o risco real de ocorrer uma piora no sistema eleitoral, caso seja aprovado o voto distrital, assim como não se descarta a possibilidade de, após muita discussão, não se mudar nada", afirmou.

Vaccarezza também destacou que as principais teses do partido no debate serão o fortalecimento dos partidos, o financiamento público de campanhas eleitorais, o voto em lista e o fim das coligações proporcionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.