Dirigente do Dnit é o 20º a cair nos Transportes

Caiu ontem o 20.º funcionário do governo após a revelação do escândalo de corrupção no Ministério dos Transportes. Trata-se do coordenador-geral de Operações Rodoviárias do Dnit, Marcelino Augusto Santa Rosa, Marcelino foi exonerado pelo ministro Paulo Passos após a divulgação, pelo jornal O Globo, do envolvimento de sua mulher em negócios do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Leandro Colon e Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2011 | 00h00

Segundo o jornal, a mulher de Santa Rosa, Sônia Lado Duarte Rosa, é procuradora de oito empresas contratadas pela autarquia. A maioria escolhida para obras de sinalização de rodovias.

Não é a primeira vez que a mulher de um servidor do Dnit aparece envolvida em atividades suspeitas na área dos Transportes. Recente reportagem do Estado mostrou que uma construtora da mulher do diretor executivo do Dnit, José Henrique Sadok de Sá, havia recebido R$ 18 milhões para tocar obras em rodovias federais vinculadas a convênios com a própria autarquia. Com a revelação da irregularidade, Sadok também perdeu o cargo.

Coisa certa. O ministro Paulo Passos afirmou ontem, a respeito das punições adotadas nas últimas semanas, que está seguro das mudanças que fez. "Tenho falado com as lideranças (partidárias), mas o que estou fazendo é a coisa certa", afirmou aos jornalistas. E acrescentou: "Se é o certo, tenho de continuar nessa direção".

Passos assumiu o ministério no último dia 11, após a queda do então ministro Alfredo Nascimento (PR-AM), envolvido na crise de corrupção que acabou derrubando diretores de vários setores do ministério. Para escolhê-lo, a presidente Dilma Rousseff teve de enfrentar, antes, fortes resistências do PR e de aliados no Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.