Eleitos nos Estados vão se dedicar à campanha presidencial

Tucanos e integrantes do aliado DEM que ganharam já no 1º turno prometem trabalhar para eleger Serra

Marcelo Portela, Evandro Fadel, Júlio Castro, Anna Ruth Dantas e Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2010 | 00h00

O governador reeleito de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), garantiu que as energias agora "estarão carregadas de maneira exclusiva" para a eleição do candidato à Presidência José e Serra. O prefeito de Conselheiro Lafaiete e presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), José Milton Rocha (PSDB), assegurou que o exército de prefeitos que trabalharam por Anastasia será acionado.

O governador mineiro contabilizou o apoio de cerca de 650 prefeitos, sendo que aproximadamente 10% deste total eram de filiados ao PT e ao PMDB.

Rocha acredita que Aécio desta vez vai se empenhar "muito mais" do que no segundo turno da eleição em 2006 - quando Lula ampliou a vantagem sobre o então candidato tucano Geraldo Alckmin e venceu em Minas com 3,2 milhões de votos. "Esse sentimento de que ia ser o candidato (à Presidência) e não é mais ficou para trás", afirmou.

Paraná. O governador eleito do Paraná, Beto Richa (PSDB), que deu pouco espaço para José Serra durante o primeiro turno da campanha, prometeu ontem que, a partir de agora, estará "de corpo e alma" trabalhando para o candidato tucano. "É muito mais que uma questão política, uma questão partidária, é uma questão de patriotismo, de defender o Brasil", disse em entrevista coletiva.

Richa garantiu que circulará pelo Paraná para agradecer aos correligionários e pedir que continuem a mobilização. E já adiantou qual será o discurso. "(Serra) acima de tudo vai agir com ética e decência, porque chega de tantas denúncias, escândalos de desvio de conduta, de corrupção, de traição à confiança do povo, e sempre próximos do poder, sempre no núcleo do poder", destacou. Para Richa, Serra é "intolerante e radical contra desvios de conduta".

Santa Catarina. O novo governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (DEM), anunciou que definiu extensa agenda de trabalho para o segundo turno. "A prioridade a partir de agora é trabalhar para eleger Serra."

Rio Grande do Norte. A governadora eleita do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini, estará no segundo turno das eleições presidenciais no palanque do tucano José Serra. No primeiro turno, a então candidata do DEM fez campanha totalmente descolada das eleições nacionais. Rosalba não apareceu em nenhuma peça publicitária ao lado de Serra. Nem mesmo no site da candidata havia qualquer recomendação para votar no tucano.

Os dois únicos momentos em que ela defendeu publicamente o candidato do PSDB foi na visita de Mônica Serra, esposa de José Serra, ao Rio Grande do Norte e quando o próprio presidenciável esteve em Natal, onde contou com Rosalba no palanque. A preocupação da então governado do DEM em se manter distante era reflexo do alto índice de aprovação de Lula no Estado.

Já eleita governadora no primeiro turno, Rosalba deverá subir no palanque de Serra de forma mais arrojada agora.

Apoio no Sul

BETO RICHA (PSDB)

GOVERNADOR ELEITO DO PARANÁ

"Nós vamos ampliar e ampliar muito a vantagem do José Serra (candidato tucano

à Presidência) no Estado do Paraná"

RAIMUNDO COLOMBO (DEM)

GOVERNADOR ELEITO DE SANTA CATARINA

"A prioridade a partir de agora é trabalhar para eleger Serra"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.