Adilvan Nogueira/Jornal do Tocantins
Adilvan Nogueira/Jornal do Tocantins

Em disputa acirrada, Siqueira Campos vence eleição

Não foi nenhuma novidade para quem nasceu lá. O ex-governador Siqueira Campos (PSDB) venceu a eleição para governador do Tocantins, com 50,52% dos votos, contra os 49,84% conseguidos pelo governador Carlos Gaguim (PMDB), que disputava a reeleição.

João Domingos, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2010 | 00h00

Siqueira Campos baseou sua campanha no combate à corrupção e na volta de um projeto que, na definição dele mesmo, representa o crescimento de um Estado investidor. Ao final da apuração, os partidários da eleição de Siqueira Campos fizeram uma grande manifestação pelas ruas de Palmas, sem se envolver em nenhuma confusão.

Gaguim buscou sempre se identificar com o funcionalismo publico, para o qual prometeu aumentos substanciais de salários na tentativa de permanecer à frente do governo, cargo que ocupa há 11 meses, em substituição a Marcelo Miranda (PMDB), cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por abuso do poder econômico. Apesar de retirado do governo do Estado, Miranda se candidatou ao Senado e conseguiu se eleger, com 25,41% dos votos. A outra vaga para o Senado ficou com João Ribeiro (PR), que conseguiu 27,96% dos votos.

Sem emprego. As promessas feitas por Gaguim não foram à toa. Afinal, 21 mil servidores públicos do Tocantins são comissionados, que temem perder o emprego. Em junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o governo tem um ano para substituir todos os cargos comissionados por servidores concursados.

Favorito até 15 dias antes das eleições, Gaguim começou a perder força depois da revelação, pelo Estado, do envolvimento dele com um grupo de empresários suspeitos de desviar dinheiro de contratos com prefeituras de São Paulo e Tocantins.

Um relatório do Ministério Público de São Paulo sobre o esquema apontou fraudes em licitações que atingem R$ 615 milhões. Na ocasião, oito suspeitos foram presos, entre eles o empresário José Carlos Cepera e o lobista Maurício Manduca, amigos e aliados do então governador.

Gaguim negou, mas o eleitor não o perdoou. Principalmente por ter recorrido à Justiça - e conseguido por quatro dias - a censura ao Estado e a outros 83 veículos de comunicação do Tocantins, impedindo-os de publicar informações sobre o esquema de desvio de dinheiro de prefeituras.

Com tudo isso, Siqueira Campos acabou conseguindo trocar de lugar com Carlos Gaguim. De zebra, Campos se tornou o favorito nas duas últimas semanas de campanha.

Será o quarto mandato de Siqueira Campos, que lutou por isso e, na Assembleia Nacional Constituinte, conseguiu fazer do norte de Goiás o Estado do Tocantins. Siqueira está com 82 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.