Em editorial, Sarney pede votos para a filha

Senador e ex-presidente da República conclamou o povo do Maranhão a reeleger Roseana:[br]''Ela merece ficar''

Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2010 | 00h00

Com o título "Ela merece ficar", o jornal O Estado do Maranhão, de propriedade da família Sarney, exibiu ontem um editorial, na capa, assinado pelo presidente do Congresso, senador José Sarney (PMDB-AP), pedindo votos para sua filha, a governadora e candidata à reeleição, Roseana Sarney.

"Ela merece ficar, com sua ajuda, seu voto, seu apoio", conclamou o patriarca do clã. "O nosso povo deve nos ajudar com uma grande votação." Em tom ufanista, Sarney listou as realizações de Roseana à frente do Maranhão nos últimos 18 meses, com a construção de fábricas, escolas técnicas e hospitais. E minimizou os índices do IBGE, que colocam o Estado como um dos mais pobres do Brasil. "O IBGE tem cerca de 3 mil índices, o Maranhão tem dois ou três, que são ruins, mas iguais aos das regiões de Registro, em São Paulo, e da Baixada Fluminense", escreveu o senador. "Roseana fez um excelente trabalho", afirmou.

"Isso pode configurar abuso do uso dos meios de comunicação. Vamos analisar isso depois das eleições", afirmou ontem a procuradora eleitoral do Maranhão, Carolina da Hora Mesquita. O Ministério Público vai avaliar se a coluna do presidente Sarney pode ser configurada como campanha ilegal.

Na coluna, o ex-presidente da República argumentou que o Maranhão não vai "perder mais uma vez o bonde da História". Para convencer os eleitores a votar em Roseana, o senador lembrou a parceria da governadora com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. "É hora de aproveitar nossos prestígios."

Na coluna, Sarney dá uma cutucada nos dois principais adversários de Roseana: o ex-governador cassado Jackson Lago (PDT) e o deputado Flávio Dino, do PCdoB. "Roseana está entrosada com Dilma, já trabalharam juntas e vão fazer um grande governo. Não é hora de administrações ideológicas, já anacrônicas, nem do socialismo bolivariano que trouxe Chávez ao Maranhão", disse Sarney. O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foi ao Maranhão, em 2008, para apoiar o ex-governador Jackson Lago (PDT).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.