Divulgação/SDH
Divulgação/SDH

Em Genebra para tratar sobre direitos humanos no Brasil, ministra deixa reunião com ativistas

Governo alega que estava previsto que Luislinda Valois apenas 'abriria' o encontro; ministra alegou que teria reuniões na ONU em seguida, o que acabou não acontecendo

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

03 Maio 2017 | 15h31

GENEBRA – A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois, não ouviu nesta quarta-feira, 4, a sociedade civil brasileira e internacional em um debate sobre as principais questões de direitos humanos e direitos sociais no País previsto para durar de três horas em Genebra. A ministra deixou a reunião logo ininício e deixou ongs e ativistas surpresos.

Nesta sexta-feira, 5, o Brasil passa por um exame de sua política de direitos humanos na ONU. Governos de todo o mundo terão a oportunidade de apresentar perguntas e queixas sobre o comportamento do governo em diferentes áreas. 

Antes do debate com os demais governos, a delegação brasileira organizou nesta quarta-feira um encontro com seis ongs brasileiras e internacionais, justamente para tratar dos desafios. Luislinda, porém, abriu o encontro, falou por alguns instantes e deixou a reunião.

Segundo presentes, a ministra alegou outros compromissos com responsáveis por temas de refugiados na ONU o que, segundo o Estado apurou, acabou não acontecendo. Antes de sair, declarou que "nunca podemos nos dar por satisfeitos em Direitos Humanos".

A condução da reunião acabou ficando sob a responsabilidade da diplomata local, a embaixadora Maria Nazareth Farani Azevedo, além dos técnicos de cada um dos setores. Durante a reunião, a diplomata chegou a dizer que o Brasil era "um exemplo" em direitos humanos". 

A reunião contou com entidades como Anistia Internacional, Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Conectas e outros. Mas a ausência da ministra deixou as entidades decepcionadas. A ministra não ficou para escutar nenhuma das ongs que, em cada uma de suas falas, lamentaram a ausência da chefe da pasta para ouvi-las.

Uma nota de imprensa oficial da Secretaria de Direitos Humanos, porém, trouxe uma foto da ministra na reunião, indicando que ela “abriu” o encontro. Ao Estado, membros do governo indicaram que, de fato, a reunião que ela havia mencionado para a ongs com os representantes de refugiados da ONU não ocorreu e que o encontro acabou sendo transferido para quinta-feira.  

No lugar disso, ele teria se dedicado a contatos com autoridades em Brasília, na esteira de telefonema que manteve com o presidente Michel Temer na noite de terça-feira. 

De acordo com diplomatas, ela ainda usou seu tempo para “elaborar e rever” intervenções que deverão ser proferidas durante o evento de sexta-feira. Já sua nota oficial indica que ela manteve reuniões com o diretor da Unidade Antidiscriminação do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos e com a presidente do Grupo de Trabalho Intergovernamental sobre a Efetiva Implementação da Declaração e Programa de Ação de Durban, Yvette Stevens. 

Para apresentar sua versão sobre os fatos, o governo de Michel Temer mandou para Genebra uma equipe de peso, mas sem qualquer representante do Ministério da Justiça. De acordo com o Itamaraty, a delegação será composta pela própria ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, pelo subsecretário-geral de Assuntos Políticos Multilaterais, Europa e América do Norte do Itamaraty, embaixador Fernando Simas Magalhães, pela secretária-executiva do Ministério da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro e por Maria Inês Fini, Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, além de diversos outros assessores e diplomatas. 

Se a ministra não esteve presente no debate com a sociedade civil  sobre a crise no Brasil, a delegação brasileira em Genebra tem realizado uma série de reuniões com governos estrangeiros, já na preparação da sabatina. Na semana passada, com o objetivo de se apresentar a alguns dos demais embaixadores, a missão brasileira organizou um jantar, prática considerada como rotineira entre chancelarias. Diplomatas estrangeiros, porém, não deixaram de comentar a “coincidência” entre o evento, que contou com uma feijoada, e o exame que o Brasil passará na ONU. 

Mas, na sexta-feira, a delegação terá de responder a questões de 109 países sobre temas como violência policial, saúde, prisões, defensa de ativistas e igualdade de gênero. 

Orçamento. Durante o encontro desta quarta-feira, ongs chegaram a tocar ainda no tema do corte orçamentário e o congelamento de recursos para a área social. O assunto deixou a diplomacia em uma situação desconfortável, enquanto Maria Helena Guimarães de Castro justificou que as contas mostrariam que era possível investir bem em políticas sociais”. 

Outro tema sensível será o indígena. Relatores da ONU indicaram já que o Estado brasileiro "fracassou" em proteger os direitos dos povos indígenas. “É motivo de preocupação o fracasso do Estado em proteger as terras indígenas de atividades ilegais, especialmente em mineração e madeireiros”, indicaram relatores das Nações Unidas, citados no informe distribuído para todos os governos.  

Nesta semana, em reuniões preparatórias para o exame do Brasil na ONU, governos já indicaram que o recente caso de violência contra sete indígenas no Maranhão reforçará o debate sobre a questão de demarcação de terras e os recursos para a FUNAI. O grupo teria sido alvo de pistoleiros. 

Mas antes mesmo do caso, os documentos da ONU distribuídos aos governos já apontavam como alarmante o “nível de violência contra os povos indígenas”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.