Divulgação
Divulgação

Em quatro anos, Brasil será o 4.º país que mais envia visitantes aos EUA

Reino Unido, Japão e China ficarão à frente no ranking de turistas, prevê o Departamento de Comércio

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2012 | 18h22

NOVA YORK - O aumento no total de turistas brasileiros nos Estados Unidos não é resultado apenas da boa situação econômica do Brasil. Segundo o Departamento do Comércio americano, em sua análise para justificar a previsão de crescimento de visitantes ao país, afirma que a "diferença nos preços de produtos eletrônicos muitas vezes acaba pagando a viagem dos brasileiros aos EUA".

Além disso, de acordo com o governo americano, o "valor da moeda brasileira, o ímpeto para viajar, especialmente quando há condições de financiamento, o crescimento da classe média e a taxa de desemprego baixa" também contribuem para a onda de turismo de brasileiros viajando aos EUA.

O Brasil será, nos próximos quatro anos, o segundo país que mais crescerá em número de visitantes, atrás apenas da China. Em 2016, de acordo com previsão do Departamento do Comércio, 2,8 milhões de brasileiros visitarão os EUA. O crescimento, quando comparado a 2010, será de 135%. Apenas a China registrará um aumento maior, estimado em 274%.

Nos próximos quatro anos, mais brasileiros visitarão os EUA do que franceses e alemães. A China passará o Brasil, que ocupará ainda assim a sexta posição. E, conforme frisa o governo americano, Canadá e México, que lideram o ranking, devem ser considerados exceções pois são fronteiriços. Todos os dias, milhares de mexicanos e canadenses atravessam a divisa para o território americano para trabalhar, e não para turismo.

 

Desta forma, além dos chineses, somente britânicos, com relações históricas com os americanos, e japoneses superarão os brasileiros no total de turistas. Destes, apenas os da China costumam gastar mais do que os viajantes vindos do Brasil. De acordo com os dados mais recentes do Departamento do Comércio, os brasileiros gastaram US$ 5,9 bilhões em 2010. Este valor, equivalente a mais metade do PIB do Haiti, deve ter crescido ainda mais no último ano.

Depois de anos enfrentando dificuldades para conseguir visto para os Estados Unidos, os brasileiros passaram a ser cortejados pelos americanos, que estão de olho justamente no aumento no número de visitantes do Brasil e nos gastos em suas viagens para cidades como Nova York, Miami e Orlando.

Estes números levaram o presidente Barack Obama a anunciar medidas nesta semana para facilitar a concessão de vistos para brasileiros, incluindo a eliminação de entrevistas para quem for renovar os vistos e para certas categorias de idosos e crianças. Também haverá um esforço para acelerar a concessão de vistos, reduzindo o prazo para três semanas.

Mais conteúdo sobre:
visto EUA brasileiros preços viagens

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.