André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Em rede nacional, Temer reforça discurso contra o crime e retira trecho sobre Previdência

'Governo dará respostas duras, firmes e adotará todas as providências necessárias para derrotar o crime organizado e as quadrilhas', repetiu o presidente

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2018 | 22h53

BRASÍLIA - Excluindo o trecho em que citou a reforma da Previdência, o presidente Michel Temer fez pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, na noite desta sexta-feira, 16, repetindo o discurso usado à tarde na cerimônia de assinatura do decreto de intervenção na segurança do Rio. Na fala gravada, o presidente reforçou que a segurança pública deve ser a nova bandeira de seu governo.

+ Para petistas, intervenção serve para 'contornar dificuldades políticas de Temer'

A última vez que Temer havia convocado rede nacional foi no Natal, quando fez justamente um apelo pela reforma. "Venho até você para fazer uma importante comunicação. Você sabe que o crime organizado quase tomou conta do estado do Rio de Janeiro. É uma metástase que se espalha pelo País e ameaça a tranquilidade de nosso povo. Por isso, decretei hoje intervenção federal na Segurança Pública no Rio de Janeiro. Tomo medida extrema porque assim exigiram as circunstâncias", disse o presidente.

+ Uso de tropas e tanques nas ruas será definido posteriormente, diz Jungmann

Temer voltou a dizer que o "governo dará respostas duras, firmes e adotará todas as providências necessárias para derrotar o crime organizado e as quadrilhas". "Não aceitaremos mais passivamente a morte de inocentes. É intolerável que estejamos enterrando pais e mães de família, trabalhadores honestos, policiais, jovens e crianças", destacou.

+ Sem Previdência, Temer faz aposta de risco para mudar agenda em ano eleitoral

O presidente disse, ainda, que "estamos vendo bairros inteiros sitiados, escolas sob a mira de fuzis, avenidas transformadas em trincheiras. Não vamos mais aceitar que matem nosso presente, nem continuem a assassinar nosso futuro".

Assim como fez na cerimônia mais cedo no Planalto, em que exaltou que a medida tomada foi tomada em comum acordo com outras autoridades, Temer destacou no pronunciamento que a intervenção foi construída em diálogo com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB).

+ Leia a íntegra do decreto de intervenção federal

"Nomeei interventor o Comandante Militar do Leste (CML), general Walter Souza Braga Netto, que terá poderes para restaurar a tranquilidade do povo. As polícias e as Forças Armadas estarão nas ruas, avenidas, comunidades. Unidos, derrotaremos aqueles que sequestram a tranquilidade do povo em nossas cidades."

"Nossos presídios não serão mais escritórios de bandidos, nem nossas praças continuarão a ser salões de festa do crime organizado. Nossas estradas devem ser rota segura para motoristas honestos, não vias de transportes de drogas ou roubo de cargas", completou.

'Não houve nenhuma explosão de violência no Rio durante carnaval', diz diretora do ISP

O presidente afirmou que a "desordem é a pior das guerras" e que agora o governo começou uma batalha "cujo caminho é o sucesso". "E contamos com todos os homens e mulheres de bem ao nosso lado, apoiando, sendo vigilantes e parceiros nessa luta."

Mostrando que o discurso terá uma nova linha, Temer reafirmou que seu governo "resgatou o progresso e retirou o país da pior recessão de nossa história". "É hora de restabelecer a ordem. E a manutenção da ordem foi o fundamento constitucional para a intervenção, tal como prescreve o Artigo 34 da Constituição Federal. Unidos, traremos segurança para o povo brasileiro", disse Temer, queq além de agradecer pela atenção, finalizou a mensagem com a expressão: "Que deus nos abençoe".

Previdência de fora 

No discurso feito hoje na cerimônia no Palácio do Planalto, Temer disse que, apesar da intervenção barrar que medidas como a reforma da Previdência sejam aprovadas, a matéria não sairia da pauta. Apesar disso, o trecho usado na fala de Temer a jornalistas mais cedo foi tirado do pronunciamento em rede nacional de rádio e TV.

"Eu registro que ajustamos ontem à noite, com uma participação muito expressiva do presidente Rodrigo Maia e do presidente Eunício Oliveira, a continuidade da tramitação da reforma da Previdência, que é uma medida também extremamente importante para o futuro do País", disse no evento do Planalto, com a presença dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Congresso, senador Eunício Oliveira (MDB-CE).

"Quando ela estiver para ser votada, e naturalmente segundo a avaliação das Casas Legislativas, eu farei cessar a intervenção. No instante que se verifique, segundo os critérios das Casas Legislativas, que há condições para a votação, reitero, eu farei cessar a intervenção", completou. Na TV, no entanto, Temer - que vinha dizendo que o esforço pela Previdência seria justamente convencer a população da importância do tema - a reforma da Previdência foi "esquecida".

Confirma a integra do pronunciamento do presidente:

"Boa noite.

Venho até você para fazer uma importante comunicação. Você sabe que o crime organizado quase tomou conta do estado do Rio de Janeiro. É uma metástase que se espalha pelo país e ameaça a tranquilidade de nosso povo. Por isso, decretei hoje intervenção federal na Segurança Pública no Rio de Janeiro. Tomo medida extrema porque assim exigiram as circunstâncias.

O governo dará respostas duras, firmes e adotará todas as providências necessárias para derrotar o crime organizado e as quadrilhas. Não aceitaremos mais passivamente a morte de inocentes. É intolerável que estejamos enterrando pais e mães de família, trabalhadores honestos, policiais, jovens e crianças.

Estamos vendo bairros inteiros sitiados, escolas sob a mira de fuzis, avenidas transformadas em trincheiras. Não vamos mais aceitar que matem nosso presente, nem continuem a assassinar nosso futuro.

A intervenção foi construída em diálogo com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão. Nomeei interventor o Comandante Militar do Leste, General Walter Souza Braga Netto, que terá poderes para restaurar a tranquilidade do povo. As polícias e as forças armadas estarão nas ruas, avenidas, comunidades. Unidos, derrotaremos aqueles que sequestram a tranquilidade do povo em nossas cidades. Nossos presídios não serão mais escritórios de bandidos, nem nossas praças continuarão a ser salões de festa do crime organizado. Nossas estradas devem ser rota segura para motoristas honestos, não vias de transportes de drogas ou roubo de cargas.

A desordem é a pior das guerras. Começamos uma batalha cujo o caminho é o sucesso. E contamos com todos os homens e mulheres de bem ao nosso lado, apoiando, sendo vigilantes e parceiros nessa luta.

Já resgatamos o progresso e retiramos o país da pior recessão de nossa história. É hora de restabelecer a ordem. E a manutenção da ordem foi o fundamento constitucional para a intervenção, tal como prescreve o Artigo 34 da Constituição Federal. Unidos, traremos segurança para o povo brasileiro.

Obrigado pela atenção.

Boa noite.

Que deus nos abençoe".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.