Em SP, grupos ligados a Rainha e ao MST disputam poder

Demissão de funcionário levou Movimento dos Sem-Terra a invadir superintendência regional do Incra

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

09 Março 2011 | 00h00

Verifica-se hoje em todos os Estados uma corrida pelo controle das superintendências do Incra. Na semana passada, em São Paulo, essa disputa levou o Movimento dos Sem-Terra (MST) a incluir a superintendência regional na lista de ações na jornada de lutas que lembra o Dia Internacional da Mulher.

A decisão do MST está ligada à demissão de Josenilton Amaral, o Mossoró, ex-dirigente do movimento, que chefiava o Incra de Mirante do Paranapanema. Ele foi demitido logo após apresentar seu nome como candidato à sucessão no Incra paulista.

A demissão foi determinada pelo atual superintendente, Raimundo Pires da Silva, que tem o apoio de José Rainha, dissidente do MST e um dos principais líderes dos sem-terra no Estado.

A invasão da sede regional do Incra ocorreu na quinta-feira. O objetivo declarado era cobrar políticas públicas para a produção sem agrotóxicos nos assentamentos. Nos bastidores, porém, sabe-se que a ação está ligada a problemas entre o atual superintendente e o MST.

Silva se desgastou com o movimento ao se aproximar de Rainha. Com recursos liberados pelo Incra para as entidades que controla, o dissidente do MST atraiu grande parte dos assentados e acampados do oeste paulista e do Pontal do Paranapanema e também influenciou as indicações dos novos agentes regionais do Incra em Mirante e Andradina.

Líderes do MST lembram que a Federação dos Assentados do Pontal, a Associação Patativa do Assaré e a Associação dos Amigos de Teodoro Sampaio, entidades controladas pelo pessoal de José Rainha, são investigadas pelo Ministério Público Federal por desvio de recursos públicos.

A associação paulista dos servidores do Incra criticou a demissão de Mossoró, funcionário terceirizado. O superintendente informou, por meio da assessoria de imprensa, que não se manifestaria sobre o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.