WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Em SP, reintegração de posse é feita às pressas e sobram reparos

Muros baixos facilitariam acesso de bandidos em Artur Alvim; em outro local, beneficiário ficou um mês sem água e luz

O Estado de S. Paulo

04 Janeiro 2015 | 03h00

O Condomínio Brotas, em Artur Alvim, zona leste de São Paulo, foi ocupado antes mesmo de a obra ser concluída. O conjunto do Programa Minha Casa Minha Vida foi invadido em 2013. No fim daquele ano, houve reintegração de posse e as famílias de direito ocuparam o lugar para evitar uma nova invasão.

A decisão deixou como herança uma série de reparos por concluir e mesmo após a reintegração sete apartamentos continuam - um ano depois - invadidos. O fato abriu espaço para o crime. Segundo denúncias, um dos apartamentos é usado como ponto de tráfico. Moradores contam que homens armados e foragidos da Justiça caminham pelo residencial. 

O pintor Douglas Santos, de 34 anos, síndico do Brotas, reclama que a construtora contratada pela Caixa deixou por terminar o muro, que ficou abaixo do ideal. “Qualquer pessoa entra. A Caixa nos obrigou a mudar, tivemos de vir correndo.” Além disso, os estragos feitos pelos invasores - como batentes quebrados e fiação roubada - não foram reparados. Falhas de drenagem provocam alagamentos na área comum e o esgoto invadiu um dos apartamentos. 

A Caixa defende que o entupimento foi ocasionado “por mau uso do morador” e obras estariam em andamento - o que os moradores negam. A reportagem também não viu obras. 

Sem água e luz. Beneficiários ainda foram levados às pressas para o Condomínio Campos do Jordão, no mesmo bairro, para evitar invasões. Isso ocorreu no fim do ano passado. Os moradores ficaram cerca de um mês sem energia e sem água. 

De acordo com o síndico, Ronaldo Del Chiaro, de 53 anos, os condôminos decidiram providenciar reparos - como a instalação de portões internos e portão elétrico - por conta própria. “Não terminaram o muro, o que já facilitou a entrada de ladrões. Invadiram um apartamento e levaram tudo”, disse. A Caixa informou que enviará uma equipe técnica ao local para verificação e, “se necessário, acionará a construtora para as devidas providências”. /PAULO SALDAÑA E RAFAEL ITALIANI

Mais conteúdo sobre:
Minha Casa Minha Vida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.