Em um mês, operação nas fronteiras apreende 11 toneladas de drogas

Em comparação a junho de 2010, houve aumento de 233 vezes na quantidade de cocaína apreendida

Vannildo Mendes, O Estado de S. Paulo

11 Julho 2011 | 16h59

BRASÍLIA - Em trinta dias de ações integradas na fronteira do Brasil com dez países da América do Sul, a Operação Sentinela apreendeu 11 toneladas de maconha e cocaína. O volume é quase duas vezes superior ao que foi apreendido no mesmo período do ano passado, em junho de 2010. A informação faz parte do balanço do Plano Estratégico de Fronteiras, divulgado nesta segunda-feira, 11, pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

 

Na comparação entre junho de 2010 e junho de 2011, houve um aumento de 233 vezes na quantidade de cocaína apreendida, com 527,38 quilos recolhidos no mês passado. Já a maconha apreendida no mês passado (10,5 toneladas) supera em 64,2% a droga apreendida entre janeiro e maio deste ano (6,38 toneladas).

 

O plano foi lançado pela presidente Dilma Rousseff no dia 8 de junho e se destina a intensificar as operações de combate ao tráfico de drogas e de armas nos 11 Estados brasileiros que fazem fronteira com os países vizinhos. Participam das ações a Polícia Federal (PF), a Força Nacional e a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

 

O Plano Estratégico de Fronteiras prevê a integração da Operação Sentinela com a Operação Ágata, que é realizada periodicamente pelas Forças Armadas, sob o comando do Ministério da Defesa.

 

O ministro da Justiça se disse surpreso com o excelente desempenho das operações, o que demonstra que o governo está no caminho certo. "Melhoramos significativamente, mas há muito que fazer. A guerra não está ganha", afirmou Cardozo, explicando que a estratégia prevê também acordos com os governos dos países vizinhos para a eliminação de drogas do outro lado da fronteira. / COM AGÊNCIA BRASIL

Mais conteúdo sobre:
narcotráfico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.