Embarcação que virou no AM retorna aos rios em seis meses

O hotel Ariaú Towers disse que o barco tem capacidade para levar 120 pessoas; no momento do acidente 45 pessoas estavam a bordo

Renata Magnenti - Especial para o Estado de S. Paulo,

08 Setembro 2012 | 14h47

MANAUS - O hotel de selva mais popular da Amazônia, Ariaú Towers, retira neste sábado, 8, do Rio Negro o iate Ariaú Açú que virou na tarde de sexta-feira a 15 quilômetros de Manaus. Em seis meses a embarcação estará apta a retornar as águas amazônicas. No momento do acidente estavam a bordo, com destino a capital amazonense, 39 passageiros e seis tripulantes, mas não houve mortos, só feridos leves.

A assessoria do hotel, informou que a embarcação tem capacidade para levar 120 pessoas e descartou a possibilidade de superlotação. "O iate é muito seguro, havia coletes salva-vidas, por exemplo, sobrando. Mas ter uma embarcação em alto rio nos sujeita, eventualmente, a um acidente", disse o assessor Ribamar Mendes.

Ele detalhou ainda que o iate possui heliporto e é o modelo de embarcação ideal para navegar em rios amazônicos, que têm grandes extensões, e em rios internacionais. "O acidente não tem relação com o modelo ou capacidade da embarcação. A causa foi o que chamamos na aviação se chama de 'vento de cauda' que empurra o avião para seu destino. No nosso caso o vento (chovia e ventava na hora do acidente) acabou tombando o iate", detalhou.

Ainda neste sábado o hotel e o Corpo de Bombeiro irão içar a embarcação. E, segundo Ribamar, em seis meses o Ariaú Açú estará apto a retornar as águas amazônicas para fazer o transporte entre Manaus e o hotel de selva.

Passageiros. De acordo com a assessoria do hotel Ariaú, dos 39 passageiros dois eram norte-americanos e o restante mora em Manaus e foram ao hotel de selva passar o feriado de 7 de Setembro. Não houve vítimas e alguns tiveram pequenos cortes devido aos estilhaços de vidro do iate. No próprio sábado, passageiros e tripulantes foram avaliados por médicos e tiveram alta.

O tenente do Corpo de Bombeiro João Filho acrescentou que hoje às 7h mergulhadores retomaram as atividades de vasculhar a área em busca de possíveis vítimas. "Estamos fazendo nosso trabalho. Embora, segundo o hotel, todas as vítimas já foram retiradas", destacou.

Mais conteúdo sobre:
embarcação naufrágio Amazonas Manaus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.